Além de Dr. Reginaldo, participaram da coletiva os vereadores José Geraldo da Cunha (Cabo Cunha/PMN), Cid Corrêa/PR, Edmar Ferreira/PT, José Gilmar Furtado (Mazinho/DEM).
Dr. Reginaldo reafirmou o que já foi divulgado pela maioria dos órgãos de imprensa: vai ser instaurada a CPI da Saúde. Entretanto, ele e os demais companheiros garantiram que a decisão de demitir a secretária Luiza Flora teria sido do Executivo, que eles teriam ?oferecido a cabeça da secretária?, além disso, teriam oferecido também os cargos do ouvidor da Saúde, Elton Costa e do secretário adjunto, José Tourinho.
Vale lembrar que Elton Costa é o presidente do PSB em Formiga e José Tourinho é militante do partido, além disso, Luiza Flora foi indicada pelo PSB, por isso, desde o início dessa polêmica, algumas pessoas configuram a situação como ?jogo político?.
Durante a coletiva, vários representantes da imprensa pediram mais esclarecimentos sobre a questão, porque já foi divulgado por diversas vezes que os vereadores é que queriam a exoneração da secretária e que só não instaurariam a Comissão Parlamentar de Inquérito se o Executivo a demitisse de fato.
A CPI
O vereador Cid Corrêa será o denunciante da CPI e disse que está fazendo um levantamento, com fotos e documentos, para ser apresentado no dia em que ela for instaurada, o que deve acontecer no dia 3 de agosto, quando termina o recesso parlamentar. Nesse ?dossiê?, o vereador diz conter documentos de pessoas que aguardam por uma cirurgia há mais de dois anos e outras provas do que os vereadores têm qualificado como ?mazelas na saúde?.
Como ressaltaram os vereadores, a decisão de fazer a CPI foi devido às inúmeras ?idas e vindas? em relação à saúde e poucas ações concretas, pois alegam que o Executivo não está cumprindo o papel dele. Os edis garantem ainda que a CPI não será simplesmente para apresentar fatos ?certos e errados? e sim para apresentar propostas de melhorias. Cid Corrêa disse também que querem uma sintonia entre a Secretaria de Saúde, Santa Casa, Executivo, Legislativo, Conselho Municipal de Saúde, Ministério Público e outros órgãos.
O vereador Edmar Ferreira, que havia assinado o documento da CPI e depois retirou a assinatura por questões partidárias, disse que não estava ali para ficar do lado do prefeito ou da Câmara e sim para defender os interesses do povo e afirmou que, mesmo não assinando pela instauração da CPI, não está satisfeito com a saúde pública em Formiga.
Cabo Cunha mostrou números relativos à compra de peças dos veículos da Secretaria de Saúde e questiona onde estariam essas peças se os veículos continuam em situação precária. Segundo o vereador, em 2005, foram gastos R$506 mil em peças, em 2006 foram R$448 mil e, em 2007, cerca de R$490 mil, o que totalizaria cerca de R$1,4 milhão em três anos.
Dr. Reginaldo havia anunciado que teria sete assinaturas para a CPI, mas, agora, conta que tem apenas quatro confirmadas (dos membros da mesa diretora), mas é o número que precisariam. A comissão, diferentemente do que foi anunciado antes, será composta por: Mazinho presidente, Cabo Cunha relator e Cid Corrêa membro.
Os recuos
O Executivo teria recuado na decisão de demitir a secretária de Saúde, mas, por outro lado, os vereadores teriam recuado em esperar 30 dias para que se apresentassem soluções para os problemas da saúde. Os legisladores garantem que voltaram atrás e vão instaurar a CPI mesmo depois de terem feito um ?acordo? porque o Executivo não teria cumprido a parte dele. Eles alegam que a administração municipal só trabalha sobre ?pressão? e que só teriam acertado as contas com a Santa Casa de Caridade de Formiga somente depois que ouviram falar em CPI. Mazinho garante que há dívidas pendentes e que vão comprovar muitas coisas com a CPI.
?Se essa CPI está sendo instaurada é porque os canais de diálogos foram truncados?, argumenta Dr. Reginaldo. ?Se a CPI não comprovar nada será ótimo, mas se comprovar será ótimo também, porque essas práticas poderão ser revistas? , concluiu.
?Disse não disse?
O secretário de Comunicação, Túlio Fonseca, foi o porta voz do Executivo para se pronunciar sobre o assunto depois das declarações dadas na coletiva com a imprensa. Ele revelou que, sabendo-se que a exigência número um era a saída da secretária, a ideia inicial era pedir 60 dias de prazo, até mesmo para ?acalmarem-se os ânimos?. De imediato, Dr. Reginaldo teria recusado a proposta e saiu da reunião com os secretários, tendo sido acompanhado do vereador Mazinho. Teriam continuado na conversa os vereadores Eugênio Vilela/PV e Cabo Cunha/PMN, foi quando chegaram em um consenso de que, em 30, dias o Executivo solucionaria os problemas.
Segundo o secretário de Comunicação, os vereadores teriam entendido que o resolver a situação seria a exoneração da secretária, mas, na verdade, seria para apresentar algumas ações, como o Pacto pela Saúde, a compra de ambulâncias, construção de Unidades Básicas de Saúde e outras medidas.
?A Prefeitura não ofereceu nem ofereceria cargos como troca da não realização da CPI. O grupo formado pelos secretários Sheldon Almeida (chefe de gabinete), Paulo Coelho (Gestão Ambiental) e José Ivo (Desenvolvimento Rural) foi escalado para dialogar com a Câmara no sentido de apaziguar a situação? , ressalta Túlio Fonseca. Ele garante que os secretários não falaram que o prefeito demitiria a secretária, porque ele já havia decidido desde o início dessa polêmica que não exoneraria Luiza Flora.
O Executivo entende que ?agiu com bom senso e politicamente, em virtude da alta temperatura, para esfriar o clima?. Túlio Fonseca salienta que houve também a atuação de alguns vereadores em querer esfriar o clima. Conforme o secretário, os 30 dias foram pedidos para mudanças na política de saúde e não para a exoneração da secretária.
Dr. Reginaldo já disse em outras ocasiões que queriam a mudança da secretária, ora disse que não queria a cabeça dela e sim a mudança de cabeça dela. A primeira manchete sobre o assunto saiu no jornal Tribuna, no dia 1º de maio, e foi a seguinte: ?Vereadores pedem ?a cabeça? de Luiza Flora?. No jornal O Pergaminho do dia 15 de julho foi publicada a seguinte manchete: ?Reginaldo dos Santos dá prazo para Prefeitura demitir secretária de Saúde?. De lá para cá, outras manchetes na imprensa foram publicadas e de forma ?redundante?, já que ora se fala que os vereadores queriam a exoneração e ora que não queriam.
Fica a pergunta: querem ou não os vereadores a cabeça da secretária Luiza Flora?

Comentários
COMPATILHAR: