Da redação – Últimas Notícias

O vandalismo, o roubo de energia, a falta de fiscalização e de manutenção em calçadas de praças no Terminal Rodoviário foram constatados pelo engenheiro eletricista da Secretaria de Obras, Fausto Machado Costa, quando a convite do Últimas Notícias visitou o local, na quinta-feira (25), com o intuito de esclarecer um fato grave que ocorreu nessa semana. A ligação de uma gambiarra para energizar um relé colocado em poste de iluminação pública trouxe prejuízos para o proprietário do estabelecimento comercial existente na área destinada aos quiosques na Praça do Terminal Rodoviário. Um curto-circuito provocado pelo excesso de carga acabou desligando uma fase da energia e tudo que se encontrava nos freezers, acabou se perdendo.

Interessante foi que até um parafuso foi colocado para travar o disjuntor existente no padrão, que ficou assim impedido de desligar a rede com o aquecimento que naturalmente ocorreu pelo excesso de carga.

Na vistoria, o engenheiro verificou que realmente as condições de uso daquele logradouro público precisam sofrer, de imediato, uma série de intervenções no intuito de se preservar a saúde ou a integridade dos que ali trabalham ou frequentam.

Numa rápida inspeção constatou-se que inúmeras caixas de passagem de fiação das redes elétricas se encontram sem tampa e acumulando água, se tornaram verdadeiras armadilhas para qualquer pedestre que porventura delas se aproxime, em especial crianças.

A fiação que atende a distribuição de energia para o comércio, assim como aos inúmeros vendedores que se valem de foodtrucks para promoverem a venda de sanduíches, bebidas e outras guloseimas, em muitos pontos está aparente, a céu aberto, servindo para a ligação de gambiarras que, pelo mal estado de conservação e  por estarem totalmente em desacordo com as normas de segurança, hoje colocam em risco os frequentadores que transitam por ali diariamente.

Além disto, o engenheiro obteve a confirmação de que, em determinadas ocasiões, outros ambulantes que por ali aparecem se valem da instalação de “gatos” para obterem energia elétrica para suas atividades.

Pontas de fios energizados existem aos montes e ao verificar uma caixa subterrânea, sem tampa, com a ajuda de um proprietário de um quiosque que se dispusera a expor a fiação, o mesmo recebeu uma descarga elétrica.

Há alguns anos, a Prefeitura e o Ministério Público exigiram a construção de uma bateria de padrões individualizados para o atendimento dos quiosques, do bar do Coreto, outro para a rede de iluminação pública e outro para o atendimento dos foodtrucks.

Esta providência eliminou uma série de problemas e de riscos aos quais – a exemplo de hoje – os usuários do local são submetidos.

Porém, mais de uma década já se passou e pelo jeito a falta de manutenção e de fiscalização facilitou para que o vandalismo e outros abusos voltassem a ocorrer.

O importante é deixar aqui registrado que, a atual situação, se não houver uma ação severa por parte do poder público, desmanchando as gambiarras e tomando providências, em especial quanto às caixas de passagem descobertas por todo o piso utilizado por quem transita ali, em especial crianças, infelizmente poderemos assistir algum acidente de proporções incalculáveis.

Conforme verificou Fausto, provavelmente tudo deverá ser refeito e reconstruído dentro de um projeto, pois, como está, nem ele nem os eletricistas da Prefeitura sabem se a fiação espalhada por baixo do piso, correndo em mangueiras e sem condições de ser melhor identificada, pertence ao padrão do quiosque A ou B, ou ainda se atenderá ao padrão municipal que se destina a atender o consumo da iluminação pública.

Como resultado final da visita, deduziu-se que, hoje, na rede elétrica está tudo junto e misturado e o que é pior, tudo fora das mínimas normas de segurança que deveriam vigorar num espaço público destinado também ao lazer de crianças. Choques e princípios de incêndios, queima de equipamentos ligados à rede e outros problemas certamente ocorrem e podem se repetir garante quem entende do assunto.

Área do Play Ground

Brinquedos enferrujados, caindo, com pregos e ferragens colocando em risco as crianças que insistem brincar, também deveriam ser objeto de interdição por parte de quem de direito, enquanto permanecerem nestas condições.

(Fotos: Glaudson Rodrigues/Últimas Notícias)

Comentários