Um clássico atípico. É esta a expectativa para o próximo Atlético x Cruzeiro, que será realizado neste domingo, 1º de agosto, às 18h30 em Sete Lagoas. Este será o primeiro clássico sem o Mineirão, que passa por reformas e só será reaberto em 2013. A Arena do Jacaré tem capacidade para 15 mil pessoas e, por este fato, apenas a torcida mandante (do Atlético) poderá comparecer ao estádio. No segundo turno, será a vez do Cruzeiro mandar a partida com apenas sua torcida no estádio, seja em Sete Lagoas ou qualquer outra cidade. A norma foi acertada entre as diretorias dos dois clubes, visando maior segurança entre as torcidas.
Além disso, outros ingredientes mexem com o clássico. Será o primeiro em 2 anos e meio que não terá Adilson Batista no banco do Cruzeiro. Ele, que é o maior ganhador do clássico na história recente (em 12 jogos, 9 vitórias, 2 empates e 1 derrota) já não é mais técnico do Cruzeiro e abre espaço para Cuca, que vai disputar seu primeiro clássico.
Dentro de campo, outras novidades. Pelo lado do Atlético, por exemplo, será o primeiro clássico de Diego Souza, e também o primeiro confronto de Fernandinho contra o Cruzeiro. Do lado azul, o zagueiro Edcarlos, que também chegou nesta semana, deve entrar em campo. Outros reforços celeste como os argentinos Ernesto Farías e Walter Montillo jogarão apenas no meio do mês. Este será o segundo confronto entre as equipes este ano. Em fevereiro, no chamado ?Clássico das Flanelas?, o Cruzeiro levou a melhor: 3 a 1, com show de Roger em sua estreia.
Arrancada ou derrocada?
Na zona de rebaixamento do Brasileirão, o Galo tem no clássico a oportunidade de, em caso de vitória, iniciar uma arrancada no campeonato. Até aqui foram 7 derrotas em 11 jogos, desempenho muito aquém do investimento que o clube fez para a temporada. Em caso de nova derrota para o maior rival, a crise alvinegra pode aumentar e gerar grandes mudanças…
Mistério de Luxa
Luxemburgo tem quebrado a cabeça para montar o melhor esquema para o Atlético. até agora, já utilizou o time com três zagueiros, com três atacantes e no tradicional 4-4-2. Não vem dando resultado. Para domingo, provavelmente não terá Zé Luiz. Outro volante, Fabiano é dúvida. Além disso, o time já não conta com os atacantes Neto Berola e Daniel Carvalho, expulsos contra o Avaí. A novidade deve ser Obina no banco de reservas.
Quebrando a cabeça
Cuca tem problemas para o clássico, especialmente na armação. Gilberto já está vetado e Roger tem chances remotas de aparecer no banco de reservas. Diante dos dois desfalques, o treinador armou a equipe no 3-5-2 durante a semana, com a zaga sendo formada por Gil, Edcarlos e Fabinho. Cláudio Caçapa ainda é dúvida. No meio campo, a armação deve ficar com Everton. Wellington Paulista volta a formar o ataque titular com Thiago Ribeiro. Robert vira opção para o decorrer da partida.
Clima de paz
Fabrício e Diego Souza resolveram amenizar o atrito entre os dois, iniciado em 2008, quando Diego, ainda no Palmeiras, acertou um tapa na boca do volante cruzeirense. Após este fato, ambos trocaram farpas pela imprensa. Fabrício chegou a dizer que Diego Souza, quando não ganha na bola, dá cotoveladas e pontapés. Na época, o jogador cruzeirense recebeu o apoio inclusive do atual técnico da seleção, Mano Menezes. Nesta semana, tanto Fabrício quanto Diego Souza resolveram deixar as diferenças de lado e disseram que as discussões já fazem parte do passado.

Comentários
COMPATILHAR: