O ator Reynaldo Gianecchini deixou, no início da tarde de ontem, o hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, local em que deu início ao tratamento quimioterápico contra um linfoma não-Hodgkin.
Sorridente, apesar do tumulto provocado por jornalistas que o cercaram na saída do hospital, ele falou rapidamente com a imprensa e comentou sobre o carinho que está recebendo do público e dos amigos. Nesse momento, Gianecchini disse estar muito forte e afirmou que parte dessa força vem do afeto que está recebendo dos seus fãs.
Gianecchini andou devagar e sugeriu que ficará recolhido nas próximas semanas. Vou ficar mais quietinho, mais tranquilo. Não estou me afastando de ninguém, disse. O ator respondeu bem ao início da quimioterapia, recuperando-se rapidamente dos efeitos colaterais.
Histórico
Internado para tratamento do linfoma não Hodgkine células T – um tipo mais raro de câncer que afeta os linfócitos (células de defesa) – diagnosticado há mais de uma semana, Gianecchini teve fortes reações alérgicas quando ingeriu antibióticos recentemente.
O início do tratamento foi adiado devido a um sangramento que perfurou uma veia durante a introdução do cateter venoso central, na semana passada. Além de ser transferido para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), Gianecchini ainda teve que retirar coágulos de sangue, que abrigaram-se entre as pleuras que envolvem o pulmão, e que poderiam virar um grave foco de infecção.
Durante a internação, o ator recebeu a visita de amigos, como a atriz Claudia Raia e a ex-namorada Marília Gabriela.
Reynaldo Gianecchini estava em cartaz com a peça Cruel, que estreou em 27 de junho no Teatro Faap, Zona Oeste de São Paulo. O espetáculo foi cancelado por tempo indeterminado. Guilherme Magon, 25, deverá ser o substituto do ator na peça.

Comentários