O horário de verão terá início à 0h deste domingo (17) e se estenderá até o dia 20 de fevereiro de 2011. A medida vigora em Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal.
De acordo com o engenheiro de operação do sistema da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), Wilson Fernandes Lage, o principal objetivo do horário de verão é reduzir a demanda por energia durante o período de pico (das 18h às 22 h). ?Adiantar o relógio em uma hora alivia o carregamento em linhas de transmissão e distribuição, transformadores e unidades geradoras, proporcionando um atendimento mais eficiente?, explica o engenheiro. ?Além disso, a confiabilidade e a segurança da operação do sistema elétrico aumentam, reduzindo o risco de ocorrência de apagões?, ressaltou.
Em Minas Gerais está prevista a diminuição de 3,6% na demanda por energia durante o horário de ponta, 260 MW equivalentes a 30% da carga de pico de todo o Triângulo Mineiro ou 12% da Região Metropolitana de Belo Horizonte. No Brasil, a redução esperada é de 4,5%, ou 2.300 MW, potência que corresponde a 30% da carga de Minas Gerais no horário de ponta.
No Brasil, o horário de verão está em sua 40ª edição e foi adotado pela primeira vez em outubro de 1931, por meio do decreto 20.466, abrangendo todo o território nacional, sendo que houve vários períodos em que este horário não foi adotado. Desde 1985, o horário de verão é adotado anualmente, nesse período a abrangência, inicialmente nacional, foi reduzida sucessivas vezes.
Atualmente, o horário de verão é adotado nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Desde 2008, o início é no terceiro domingo de outubro e o final no terceiro domingo de fevereiro, exceto quando coincide com o Carnaval, sendo então o horário prorrogado em uma semana.
Economia de energia
Segundo Wilson Lage, o horário de verão contribui para a redução do consumo de energia nas residências, uma vez que é possível aproveitar melhor a luz natural ao final do dia. Em Minas Gerais, espera-se uma economia de 95 mil MWh (0,5%), energia suficiente para atender toda a carga de Belo Horizonte durante 10 dias. No Brasil, a expectativa de economia é de 570 mil MWh (0,5%), o que corresponde ao consumo de energia de Belo Horizonte durante 55 dias.

Comentários