O sistema de identificação digital, usado por 1,1 milhão de brasileiros ao votar no segundo turno apresentou algumas dificuldades, reconheceu neste domingo (14) o presidente do Tribunal Superior Eleitora (TSE), Ricardo Lewandowski.
?Ainda não temos dados do segundo turno, mas no primeiro turno 97% dos eleitores foram reconhecidos pela urna biométrica. Os demais votaram pelo sistema normal, pois a novidade do sistema causou algumas dificuldades?.
Entre os problemas identificados, Lewandowski citou a perda das impressões digitais em profissionais que manuseiam produtos químicos, a falta de preparo de alguns mesários e a formação de filas. ?Em lugares com muita fila, houve divisão de grupos para votar no sistema biométrico e de outros para votar no tradicional?.
Lewandowski também lembrou que a biometria servirá para outras formas de identificação. ?Firmamos um acordo com o Ministério da Justiça para transferirmos o cadastro da justiça eleitoral, com 136 milhões de brasileiros, para o registro de identificação civil. Isso dará um numero único para documentos como passaporte, RG, previdência social, implementando a segurança?.
O TSE estima que, em 2018, 155 milhões de brasileiros votem exclusivamente pelo sistema biométrico. A implementação custa cerca de R$ 3 por eleitor.

Comentários
COMPATILHAR: