Por Lorene Pedrosa

No dia 7 de novembro do ano passado uma explosão de forte intensidade foi registrada durante a madrugada na avenida Guiomar Garcia Neto, no Centro de Formiga, fazendo vir abaixo a estrutura de uma padaria,  danificando edificações que ficavam ao redor e em vias próximas.

A explosão provocou a morte de um profissional da padaria; o padeiro Leone Márcio Augusto, de 22 anos, que no momento do acidente, havia acabado de chegar ao local para dar início ao dia de trabalho.

Três meses exatos após o acidente que deixou a população da cidade estarrecida e ganhou repercussão nacional; o Últimas Notícias buscou informações junto ao delegado à frente do caso, Ricardo Augusto de Bessas, após ter informações, até então não oficiais, de que o laudo pericial já se encontrava em poder da autoridade policial.

Além de confirmar a informação sobre o laudo pericial, o delegado afirmou que a perícia apontou que a explosão foi provocada pela combustão de grande volume de gás. Informou ainda, que o acidente ocorreu por ação humana, porém, a perícia não conseguiu reunir elementos capazes de indicar o agente causador.

Em entrevista ao UN, Ricardo Bessas disse que o Inquérito Policial caminha para o encerramento e fez algumas considerações importantes, explicando que não são investigadas ações dolosas, apenas a responsabilidade não intencional dos envolvidos. “A investigação policial em tramitação apura os crimes de explosão culposa e homicídio culposo (quando não há intenção do agente em produzir o resultado, mas este ocorre em razão de sua imprudência, negligência ou imperícia)”.

O delegado Ricardo Bessas (foto: Arquivo/UN)

Sobre pontos importantes da apuração realizada até o momento, o delegado ainda elucidou que:

“1 – O laudo pericial é um documento importante da investigação policial, mas não é determinante, motivo pelo qual eventuais responsabilidades penais podem ser apontadas por outros meios probatórios, em especial, documental e testemunhal;

 2 – Apurou-se que o estabelecimento comercial iniciou suas atividades sem a necessária vistoria do Corpo de Bombeiros e que aguarda a resposta da Prefeitura Municipal de Formiga em relação a autorização de funcionamento (alvará);

3 – Há documento oficial expedido pela empresa instaladora do gás noticiando que a instalação se deu no imóvel de nº 163, embora a explosão tenha ocorrido no imóvel de nº 237 da av. Guiomar Garcia Neto”.

Sobre esse último ponto, Ricardo Bessas ressaltou que essa divergência é relevante e que precisa ser esclarecida, motivo pelo qual intimará a empresa responsável para prestar informações.

Foto: Reprodução WhatsApp
Foto: Reprodução WhatsApp

O resultado da investigação é aguardado com ansiedade por muitos dos empresários que tiveram suas empresas destruídas ou parcialmente danificadas, e ainda por moradores da região, cujas casas foram afetadas pela explosão. Muitos destes mantém a esperança de ainda serem ressarcidos dos prejuízos que tiveram.

COMPATILHAR: