A Justiça Federal aceitou a denúncia do Ministério Público Federal contra as empresas Vale e Tüv Süd e contra 16 pessoas pelo rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho.

A denúncia aceita pelo Tribunal Regional Federal aponta crimes como homicídio qualificado (270 vezes), crimes contra a flora e contra a fauna e crime de poluição.

“De ordem da Dra. Raquel Vasconcelos Alves de Lima, Juíza Federal Substituta da 2ª Vara Criminal Federal, informamos que a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal foi recebida em 23.01.2023 e os autos físicos, recebidos da Comarca de Brumadinho, foram encaminhados para digitalização”, informou a assessoria da Justiça Federal.

Dentre os denunciados estão o ex-presidente da Vale, Fábio Schvartsman, e outros 10 executivos e engenheiros da mineradora. Também foram denunciados o gerente-geral da empresa de consultoria alemã Tüv Süd, Chris Peter-Meier e outros quatro funcionários da empresa, incluindo quem prestou consultoria que resultou na liberação da barragem do Córrego do Feijão para operar.

O rompimento da barragem em Córrego do Feijão aconteceu no dia 25 de janeiro de 2019, há quatro anos. Com a aceitação da denúncia, os crimes não correm mais o risco de prescrever.

Na terça-feira (23), o Ministério Público Federal (MPF) ratificou a denúncia apresentada pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) contra 16 pessoas e duas empresas (Vale e Tüv Süd) pelo rompimento da barragem de Brumadinho.

Dessa forma, o ex-presidente da Vale, Fábio Schvartsman, além de executivos das duas companhias responderão por homicídio qualificado por cada uma das 270 vítimas da tragédia.

Fonte: Itatiaia

Comentários
COMPATILHAR: