A Justiça de São Paulo concedeu a liberdade nesta sexta-feira (11) a Alexandre Nardoni, pai de Isabella, e a Anna Carolina Jatobá, madrasta da criança morta no dia 29 de março em um prédio na Zona Norte da capital. A informação foi pasada pelos advogados de defesa Marco Pólo Levorin e Ricardo Martins. O pedido de habeas corpus, em caráter liminar, para que o casal acompanhasse as investigações em liberdade, foi deferido pelo desembargador Caio Canguçu de Almeida, da 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo.
Cabe recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ) ou ainda novos pedidos de habeas corpus à 2a.instância do Tribunal de Justiça (TJ). O julgamento do mérito do habeas corpus costuma ocorrer, em média, 30 dias após a decisão liminar. Na ocasião, a decisão liminar pode ser modificada, ao ser julgada por outros dois desembargadores da 4a. Câmara Criminal do Tribunal.
A decisão do desembargador Caio Canguçu de Almeida será comunicada ao juiz da 1a. instância do TJ que determinou a prisão temporária, Mauricio Fossen, da 2ª Vara do Júri de São Paulo. Serão expedidos então alvarás de soltura aos distritos em que Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá estão detidos desde quinta-feira (3).
O casal está preso desde a quinta-feira passada (3), após a polícia pedir à Justiça a prisão temporária deles por 30 dias. A defesa fundamentou o pedido de liberdade no argumento de que o pai e a madrasta de Isabella não ameaçam as investigações. O advogado Marco Polo Levorin afirmou no pedido protocolado na segunda (7) e composto por 30 folhas, que eles não atrapalharam a produção de provas, não coagiram testemunhas tampouco se negaram a comparecer à polícia.
Na terça-feira (8), o promotor que acompanha o caso, Francisco José Taddei Cembranelli, defendeu que a Justiça mantivesse o casal detido pelo período de 30 dias. Para ele, a prisão é necessária para que a dupla não atrapalhe as investigações.
Tanto a polícia quanto a promotoria não fixaram um prazo para a conclusão do inquérito. Entretanto, a delegada-assistente Renata Pontes afirmou na quarta-feira (9) que 70% da cena do crime já foi reconstituída pelos investigadores. Na quinta-feira (10), a Polícia Civil de São Paulo informou que 99% do caso que apura a morte da menina Isabella Nardoni, de 5 anos, foram esclarecidos. Os policiais já têm como descobrir se alguma pessoa estranha entrou no Edíficio London.
Ainda de acordo com a delegada, os laudos do Instituto de Criminalística (IC) e do Instituto Médico Legal (IML) só devem ser divulgados na semana que vem.

Comentários