Entre as inúmeras peças abrigadas no Museu Nacional do Rio de Janeiro, destruído por um incêndio iniciado na noite de domingo (3), o crânio de Luzia e sua reconstituição facial são duas das perdas mais lamentadas por pesquisadores brasileiros.

Luzia é de inestimável valor científico por se tratar do mais antigo fóssil humano já encontrado no Brasil e nas Américas. O crânio, pertencente a uma mulher que viveu há mais de 11 mil anos, foi descoberto em uma gruta da região de Lagoa Santa, em Minas Gerais, em 1975, e é fundamental para se compreender como ocorreu a ocupação das Américas.

Na verdade, a descoberta de Luzia é o principal problema para os cientistas que defendem a tese de que o Homo sapiens chegou ao continente cerca de 11,2 mil anos atrás, a partir do Estreito de Bering. Essa teoria ganhou força depois de artefatos de uma cultura chamada Clóvis foram encontrados em um sítio do Novo México, no fim da década de 1920. Assim, por muito tempo, acreditou-se que esses norte-americanos constituíram o primeiro povoamento das Américas.

No entanto, com a descoberta de Luzia, a teoria dos “clovistas” perdeu força, porque, na velocidade com que se deslocava naquela época, seria impossível para o homem chegar tão rapidamente à América do Sul, segundo alguns pesquisadores. A existência de Luzia, então, sugere que o Homo sapiens atravessou o Estreito de Bering antes do povo Clóvis, há cerca de 14 mil ou 15 mil anos, e, com o tempo, migrou para o sul.

Entre os cientistas que mais colaboraram para o fortalecimento da ideia de que o povoamento das Américas ocorreu antes do povo Clóvis está o biólogo, antropólogo e arqueólogo brasileiro Walter Neves, um dos maiores estudiosos dos sítios arqueológicos de Lagoa Santa e o responsável por batizar Luzia, nome escolhido em referência ao australopiteco etíope Lucy, fóssil de humanoide mais antigo já encontrado no mundo. Segundo ele, Luzia e várias outras descobertas, como novos fósseis, objetos e artes rupestres descobertos no Brasil e no Chile, representam um duro golpe na teoria clovista.

Uma mulher de 20 anos

Estudos de datação apontaram que o fóssil abrigado no Museu Nacional era uma mulher que estava na faixa dos 20 anos quando morreu, tinha 1,50 m de altura e possuía traços negroides, com nariz largo e olhos arredondados. A reconstituição de seu rosto foi feita em 1999, por pesquisadores da Universidade de Manchester, na Inglaterra, que usaram como base o crânio.

O fóssil gerou ainda a denominação Povo de Luzia, que se refere aos primeiros homens e mulheres que habitaram a região arqueológica de Lago Santa. Porém, sabe-se, hoje, que o grupo ao qual Luzia pertenceu foi apenas um dos vários povos que viveram no lugar em diferentes períodos, vivendo da caça de animais de pequeno e médio portes e da coleta dos recursos vegetais disponíveis na região.

Acervo

O acervo do museu foi formado ao longo de mais de dois séculos por meio de coletas, escavações, permutas, aquisições e doações. Tem coleções de geologia, paleontologia, botânica, zoologia, antropologia biológica, arqueologia e etnologia. São mais de 20 milhões de itens.

Entre seus principais tesouros estão a primeira coleção de múmias egípcias da América Latina e o Bendegó, o maior meteorito já encontrado no Brasil – ele foi achado no sertão da Bahia no século 18 e pesa mais de 5 toneladas.

Meteorito Bendegó, parte do acervo do Museu Nacional. (Foto: Reprodução/ Museu Nacional)

A história dos povos índigenas também faz parte do acervo do museu com, por exemplo, uma coleção de trajes usados em cerimônias dos índios brasileiros há mais de cem anos.

A antiga residência real, onde nasceu D. Pedro II, expõe uma coleção de peças da época do descobrimento do Brasil, em 1500, até a Proclamação da República, em 1889, como quadros, móveis e objetos que pertenceram a nobreza de Portugal e do Brasil. Entre eles, o Canhão do Meio Dia, de 1858, usado por D. Pedro I e Theresa Christina Maria e o Relógio do Sol.

Museu Nacional tinha acervo de 20 milhões de itens (Foto: Reprodução/Museu Nacional)

Uma das primeiras peças do acervo era o trono do Rei de Daomé, um presente dado pelo rei africano para D. João VI.

Algumas de suas atrações mais populares já não podiam mais ser visitadas pelo público por conta de problemas estruturais, como o esqueleto de uma baleia jubarte e o Maxakalisaurus topai, o primeiro dinossauro de grande porte montado no Brasil.

 

Fonte: Correio Braziliense e G1 ||

Comentários
COMPATILHAR: