O resultado do primeiro acidente com uma das maquinas recém-adquiridas pela Prefeitura foi flagrado na tarde de quinta-feira (31), pelo fotógrafo e colaborador do Nova Imprensa, Paulo Pacheco, que encontrou o equipamento parado próximo à praça da Rua Furnas, no bairro Jardim Alvorada.
De acordo com informações apuradas pelo jornal, a retroescavadeira hidráulica estava sendo usada para raspar o pavimento da esquina das ruas Pará de Minas e Coimbra e de uma área particular, de propriedade de um senhor de nome “Neuton”, que confirmou ser o proprietário do terreno.

Terreno particular onde o serviço estava sendo executado (Foto: Paulo Pacheco)

Esquina entre as ruas Pará de Minas e Coimbra (Foto: Paulo Pacheco)

O acidente e a consequente quebra da máquina ocorreram quando pedaços de um vergalhão atingiu uma das mangueiras de alta pressão (as que fazem a lâmina frontal se levantar), danificando o duto condutor de óleo sob pressão. Com a lâmina sem sustentação, o operador ainda tentou retornar para o pátio da Prefeitura, mas no trajeto, o óleo vazou e a lâmina desceu ao solo, impedindo que a máquina se movimentasse.
O problema ocorreu no dia seguinte à carreata promovida pela administração para apresentar máquinas e veículos que foram recentemente comprados para compor a frota municipal.

Constatada a prestação de serviço com equipamento público e em área particular, o jornal entrou em contato com a Prefeitura, solicitando informações a respeito: Quem autorizou o serviço? Quanto foi recolhido aos cofres públicos? Número da guia de recolhimento, etc.
A Secretaria de Comunicação informou que “Tão logo recebeu os questionamentos procurou o prefeito e o secretário de Obras (Guilherme Amaral) que informaram não ter conhecimento do fato ou sobre a execução do serviço. A autorização não foi dada por nenhum deles e em razão do encerramento o expediente, o prefeito determinou que o secretário tomasse as providências cabíveis para esclarecer tudo, e lhe informasse posteriormente, quem determinou a utilização do equipamento, em qual serviço e sob quais condições”.
Nota da Redação: O jornal apurou que durante a realização do serviço, o funcionário da Secretaria de Obras não usava Equipamentos de Proteção Individual (EPI)

Comentários