Uma das feridas mais expostas pelo Cruzeiro dos últimos tempos é a ausência de segundo atacante bom. Já foram testados ali o inconstante Wallyson, o controverso Wellington Paulista e, por último, o centroavante Anselmo Ramon. Sim, Celso Roth teve a manha de escalar o Anselmo Ramon, o centroavante-mais-centroavante do elenco, pelas pontas. Apesar que ele nem foi tão mal assim, bom ressaltar. Mas a médio prazo tenderia a não funcionar jogando ao lado de outro jogador de área, Borges.
Só que a luz do fim do túnel traz uma boa perspectiva para a reta final do Campeonato Brasileiro. Parece, o Cruzeiro encontrou seu segundo atacante, o jogador que arma as jogadas pelos flancos com rapidez e é boa opção especialmente para contra ataques, marca (tabajara) registrada desse time volante. Ops, valente.
Trata-se de Martinuccio, destaque da Libertadores de 2011 pelo Peñarol, quando era um ?meia ofensivo? da equipe uruguaia. Na prática, o tal segundo atacante.
Martinuccio fez sua estreia recentemente, após chegar ao Cruzeiro em julho com um problema ósseo. Contusão chata, pelo jeito. Mas bastaram-se três jogos para que o argentino renovasse a esperança do torcedor celeste, mostrando que pode ser esse jogador que tanto faz falta desde a saída de Thiago Ribeiro no meio do ano passado.
O argentino é daqueles jogadores que tentam utilizar a habilidade aliada com objetividade. Não é muito de firula, tem arranque e passe bons. Contra Inter e Portuguesa, conseguiu melhorar a cara ofensiva da equipe no segundo tempo. O jogo contra o Grêmio pedia a entrada de Martinuccio para o Cruzeiro tenta sair da pressão gaúcha. Mas Roth preferiu Mateus, ele, o zagueiro. Nessa, a cautela passou longe.
Aliviado com a vitória difícil diante da Portuguesa na semana passada, Celso Roth passou a considerar o atacante como peça chave para desafogar o ataque do time. Deu certo. Contra o Flamengo, assistência para o gol de Everton. Contra o Corinthians, na última quarta-feira, mais uma assistência e um belo gol, seu primeiro com a camisa estrelada.
Anselmo Ramon, que vinha sendo testado na posição de Martinuccio, voltou para a ?sua?, dentro da área, e também tem jogado bem, enquanto Borges fica na reserva, lutando contra problemas físicos. Montillo, apesar de ter saído contundido do jogo contra o Corinthians, vem numa crescente com a presença do seu compatriota.
Longe do perigo iminente de lutar contra o rebaixamento, o Cruzeiro ocupa o 7º lugar. Mesmo vendo o G4 distante, a equipe ainda alimenta chances matemáticas de disputar uma vaga na Libertadores. Tudo graças à Martinuccio.
Martinuccio é útil.
A rodada
O Cruzeiro enfrenta o desesperado Palmeiras, em Araraquara, neste sábado, 18h30. Uma vitória pode dar aos mineiros a sexta colocação na tabela. Já o Galo enfrenta o Fluminense, no principal jogo do campeonato. A partida será no Independência, domingo, 17h. Pensando em título, é proibido um tropeço da equipe mineira.

Comentários
COMPATILHAR: