Estudos preliminares indicam que a descoberta de uma enorme reserva de petróleo na camada pré-sal do litoral brasileiro deve estimular investimentos de US$ 300 bilhões nos próximos cinco anos em toda a cadeia produtiva do setor no Brasil. Mesmo sem saída para o mar e sem grandes reservas do recurso em seu território, Minas Gerais é um importante polo siderúrgico do país e pode participar ativamente desse mercado.
Além da oferta de vários tipos de aço – que podem ser usados tanto na indústria naval quanto na petroquímica -, há também uma enorme gama de serviços que podem ser prestados, o que tem causado intensa movimentação no setor empresarial do Estado.
O presidente da Câmara da Indústria do Petróleo e Gás da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), José Luiz de Melo Aguiar, diz que a descoberta do pré-sal abriu grandes perspectivas. Vamos apresentar resultados significativos. Além de um cadastro das empresas na Petrobras, estamos nos esforçando para trabalhar a qualificação.
Em novembro do ano passado, a Usiminas concluiu um investimento de R$ 539 milhões para a aquisição da japonesa Nippon Steel, de uma tecnologia inédita fora do Japão para fabricação de chapas grossas de aço com resfriamento acelerado, material ideal para ser usado em perfurações e também na indústria naval. Estamos prestes a fazer a primeira venda e dar vazão a uma produção potencial de até 500 mil toneladas por ano, conta o vice-presidente de siderurgia da empresa, Sérgio Leite.
A V&M Tubes do Brasil, com sede em Belo Horizonte, já produz tubos de aço para a indústria petroquímica e anexou à planta a primeira unidade industrial da Vam Drilling no Brasil. A empresa francesa, que pertence ao grupo Valourec, produz equipamentos de perfuração de poços de óleo e gás. A estratégia é estar mais próxima da Petrobras, um de seus maiores clientes.
Pequenos buscam capacitação
O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas em Minas Gerais (Sebrae-MG) e a Organização da Indústria de Petróleo (Onip) se uniram à Refinaria Gabriel Passos (Regap) e ao Instituto Euvaldo Lodi (IEL) para buscar integrar a atividade das micro e pequenas empresas de Minas às necessidades da indústria petrolífera.
Com o sistema Fiemg e o governo de Minas Gerais, o Sebrae-MG firmou uma parceria para a criação da Rede Petro MG. O objetivo é mapear e divulgar as oportunidades geradas pelo setor.
Apenas no ano passado, segundo o Sebrae-MG, aumentou em 42,7% o número de pequenas empresas cadastradas no sistema da Onip.

Comentários