O Ministério Público de Minas Gerais, por meio da promotora Clarissa Gobbo dos Santos, emitiu na noite desta quarta-feira (22), nota em que esclarece sobre a possibilidade de a Santa Casa de Caridade de Formiga ser escolhida pelo Estado para atender, com exclusividade, pacientes com o novo coronavírus (Covid-19).

Leia abaixo a íntegra da nota:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

O Ministério Público do Estado de Minas Gerais, pela Promotora de Justiça da Comarca de Formiga, Clarissa Gobbo dos Santos, vem a público esclarecer que os rumores aventados em grupos de Whats app acerca da Santa Casa de Formiga ser vocacionada para atendimento exclusivo de Covi-19, não condiz com a realidade, uma vez que o Estado de Minas Gerais, através da Secretaria de Estado de Saúde, juntamente com o Ministério da Saúde, ainda não definiram os fluxos assistenciais, não havendo qualquer informação oficial a respeito desses fatos. Ressalta-se que o Estado de Minas Gerais é dividido em regiões de saúde, sendo a cidade de Formiga um polo microrregional de saúde por deliberação legal. Informa ainda que a Santa Casa está sob intervenção judicial, através de uma ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público para recuperação econômica, financeira e assistencial, tendo a Sr ª Myriam Araújo Coelho, sido nomeada gestora executiva pelo Poder Judiciário, cujo trabalho vem sendo realizado desde agosto de 2018, com inúmeras conquistas assistenciais, especialmente a reabertura da UTI neonatal, serviço de hemodinâmica, reestruturação de equipes médicas, tudo com a fiscalização do Ministério Público. Não há que se espalhar pânico e medo à população, uma vez que tudo está sendo devidamente discutido em reuniões exaustivas com o Estado de Minas Gerais, através da Secretaria Estadual de Saúde. Assim, o Ministério Público tranquiliza a população Formiguense, esclarecendo que estamos atentos ao momento e que os hospitais com estrutura para atendimento de UTI serão habilitados para recebimento de pacientes com COVID-19 dentro de um fluxo muito bem estudado e aprovado entre os gestores de saúde, com a fiscalização do Ministério Público, sem deixar de se prestar o devido atendimento a toda população da microrregião de saúde de Formiga. Esse movimento não representa a Santa Casa e não condiz com a realidade fática do momento.

Formiga, 22 de abril de 2020.
CLARISSA GOBBO DOS SANTOS – Promotora de Justiça                       
COMPATILHAR: