Na quarta-feira (27) foi publicada a sentença que condenou cinco pessoas das 25 denunciadas em decorrência da operação Dingo Bel, realizada pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) em conjunto com as polícias Civil e Militar, com o objetivo de combater o tráfico de drogas e a lavagem de dinheiro em Formiga.

O feito foi desmembrado, e a decisão proferida esta semana, referente a cinco dos acusados, foi a maior condenação pela prática do crime de tráfico de entorpecentes na história desta cidade.

O primeiro acusado foi condenado a 107 anos de prisão; o segundo, a 76 anos; e o terceiro, a 36 anos, todos pela prática dos crimes de tráfico de entorpecentes, associação para o tráfico e lavagem de dinheiro, além da agravante do envolvimento de menores. A quarta e a quinta acusadas foram condenadas a penas de três anos.

Relembrando:

“Dingo Bel” é mais uma das bem-sucedidas operações coordenadas por representantes do Ministério Público (Ângelo Ansanelli Jr.), Polícia Civil (Ricardo Augusto de Bessas) e Polícia Militar (Major Alisson Bruno Pereira).

 

 PROCESSO Nº 0261.13.003871-2 – Consta dos autos do incluso inquérito policial que os acusados se associaram para realização da comercialização de substâncias entorpecentes.

Também consta dos autos do incluso inquérito policial, que no dia 28 de janeiro de 2013, na rua Alexandre Fleming, bairro Água Vermelha, em Formiga, os dois primeiros acusados, traziam consigo para fins de comercialização, grande quantidade de substância entorpecente conhecida como “crack”, conforme laudo de constatação de fls. 27/30 e toxicológicos de fls. 458/461 dos autos 0038183-45.2013.

Apurou-se que na data citada, policiais militares receberam informações de que o primeiro acusado, havia entregado para seu irmão, o segundo acusado, certa quantidade de substância entorpecente, na rua Américo Fonseca Portela, bairro Água Vermelha, nesta cidade e comarca.

Durante a prisão dos dois primeiros acusados, os policiais receberam informações de que o terceiro denunciado, havia dispensado 16 pinos de cocaína em um matagal na rua Alto do Pequi, nesta cidade e comarca.

Em 1º de dezembro de 2008 conforme consta dos autos do incluso inquérito policial, por volta das 18h25min, na rua Américo Fonseca da Portela, nesta cidade e comarca, a polícia militar autuou outro citado, vez que o mesmo trazia consigo uma pedra de substância entorpecente conhecida como “crack” para uso pessoal (laudos de constatação e toxicológicos de fls. 82 e 83 dos autos 0038183-45.2013).

Vários outros fatos e apreensões policiais realizadas em diversos anos (2008 -2009 – 2011 – 2012 -2013) foram relatados no extenso processo que contém 185 páginas– e nele, aparecem os, então, 25 denunciados.

O documento publicado foi assinado eletronicamente por Lorena Teixeira VazJuiz de Direito, em 26/04/2022, às 18:29, conforme art. 1º, § 2º, III, “b”, da Lei 11.419/2006.

Da sentença cabe recurso.

 

Comentários