Uma pesquisa da Alzheimer’s Disease International (ADI), revela que a maior parte da população não vê a demência como uma doença, mas sim como uma consequência normal do envelhecimento. A pesquisa ainda revela que somente no Brasil, mais de 1 milhão de pessoas possuem alguma demência.

De acordo com a neurocirurgiã Danielle de Lara, que atua no Hospital Santa Isabel (Blumenau/SC), isso é um exemplo de como é preciso oferecer esclarecimento sobre o Alzheimer.

Nesta quarta-feira (21), celebramos o Dia Mundial do Alzheimer, data que tem como intuito conscientizar, esclarecer e alertar a população sobre a prevenção da doença.

De acordo com o Ministério da Saúde, o Alzheimer é dividido em quatro estágios: na primeira fase acontecem as alterações de memória, de personalidade e habilidades visuais; na segunda começa a dificuldade para falar e para fazer tarefas do dia a dia. Nesse período, que é considerado moderado, os sintomas são de agitação e insônia. No estágio 3 o paciente começa a ter incontinência urinária e fecal, além de dificuldade para se alimentar. No estágio 4, que é terminal, a pessoa fica acamada de forma permanente, muda, sente dor para se alimentar e tem infecções com frequência.

Como acontece o Alzheimer?

Segundo Danielle de Lara, o Alzheimer é um transtorno neurodegenerativo progressivo, que provoca a deterioração do cérebro. “A causa é desconhecida, mas a medicina entende que seja genética. A doença acontece quando proteínas do cérebro começam a ser mal processadas. Surgem fragmentos de proteínas, que se tornam tóxicos e começam a prejudicar o funcionamento do cérebro devido à perda de neurônios”.

Os principais fatores de risco da doença são a idade, o histórico familiar e a baixa escolaridade. Danielle ainda informa que a recomendação para prevenir a doença é manter a mente ativa através de jogos, leitura ou estudo. “Atividades em grupo, exercícios físicos e uma alimentação saudável também são recomendados. Cigarro e bebidas alcoólicas devem ser evitados”.

Sintomas e tratamentos 

Além da perda de memória, Danielle alerta que os sintomas de Alzheimer incluem problemas para completar tarefas que antes eram fáceis, dificuldades para a resolução de problemas, mudanças no humor ou personalidade; afastamento de amigos e familiares, problemas com a comunicação, tanto escrita como falada, confusão sobre locais, pessoas e eventos, alterações visuais, como problemas para entender imagens.

“É indicada uma visita ao médico quando além da falta de memória recente a pessoa começa a repetir a mesma pergunta com frequência, quando se perde ao dirigir mesmo conhecendo o caminho e começa a ter dificuldade para se expressar no dia a dia, como ao não recordar as palavras que quer usar. Além disso, o paciente pode estar irritado ou agressivo”, alerta.

Danielle ainda informa que o diagnóstico precoce pode trazer melhora nos sintomas e estabilização da doença, que é progressiva.

 

Fonte:presse.inf.br

Comentários
COMPATILHAR: