*Lorene Pedrosa

Menos de três anos após a mais grave crise hídrica vivida pela população de Formiga, no dia 16 de agosto de 2017, teve início um novo racionamento de água na cidade que perdurou por mais de dois meses.

Agora, em 2018, em pleno período de seca, a notícia não é animadora. “A possibilidade de racionamento não está descartada”. A fala é do diretor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae), Flávio Passos, questionado pelo Nova Imprensa nessa semana sobre as condições atuais de abastecimento da cidade. De acordo com Passos, a captação está em 90%. No ano passado, quando foi iniciada a escala de distribuição de água, esse índice era de 70%.

Planejamento
Para evitar o desabastecimento na cidade em 2018, o Saae programou a perfuração de 11 poços artesianos. Porém, a abertura dos mesmos só teve início no fim do mês de julho, segundo a direção da autarquia, devido a necessidade de autorização dos órgãos ambientais.

Até o momento, foram perfurados poços nos seguintes locais: rua Ernestino Augusto da Costa (Bela Vista), rua Chile (Esplanada), travessa Bias Fortes (Alvorada), rua Nicolau José Mizerani (Nossa Senhora Aparecida – Água Vermelha).

Dos cinco poços previstos para essa primeira etapa, falta ainda o do bairro Cidade Nova. Os outros seis aguardam autorização dos órgãos ambientais. “Já foram perfurados quatro poços, porém não estão em operação. Precisam ser equipados e construídos padrões elétricos e alguns ainda dependem de autorização da Cemig para realização de obras de reforço de rede de energia em função da carga disponível ser insuficiente para o funcionamento das bombas”, explicou o diretor do Saae.

Nova barragem de captação
Desde maio deste ano, está concluído o projeto da nova barragem que deverá ser construída no mesmo local onde fica a atual barragem da cidade. Concluída essa etapa, o desafio, segundo a administração municipal, é conseguir financiamento para custear a obra cujo valor deve chegar, segundo o prefeito Eugênio Vilela, a R$9 milhões.

Sobre a situação atual de busca por esse recurso, Flávio Passos explicou que “todos os procedimentos solicitados para viabilizar o financiamento já foram encaminhados ao Ministério das Cidades e aguarda convocação do Ministério para realização da entrevista técnica. Acredito que poderá haver algum atraso nesta etapa em função do evento das próximas eleições”, disse.

Comentários