O prefeito de Divinópolis, Gleidson Azevedo (PSC), gravou um vídeo dentro de um buraco com mais de um metro de profundidade, no Bairro São Luiz, feito pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa). Nas imagens divulgadas nessa sexta-feira (21), o chefe do Executivo disse que a intenção foi mostrar o descaso da companhia com o município e que vai até a última instância para retirar a empresa da cidade.

Ao g1, a Copasa confirmou que o buraco foi realmente feito pela companhia para uma manutenção. Confira abaixo a nota completa enviada à reportagem pela companhia.

No vídeo aparece ainda o vereador Flávio Marra (Patriota), que também entrou dentro do buraco para chamar atenção da população. “A Copasa tinha que ser retirada não só de Divinópolis, mas do Estado de Minas Gerais”, disse o parlamentar.

Justiça

Um processo que tramita na Justiça visa a quebra de contrato entre a Copasa e o município de Divinópolis. Na semana passada, a Prefeitura apresentou oito irregularidades cometidas pela companhia de 2011 até o momento. O relatório foi feito por uma comissão instaurada no ano passado, para avaliar as cláusulas do documento. O contrato com a empresa segue nulo no município.

Em entrevista ao g1 o prefeito disse que tem sido questionado pelos moradores se tomou a melhor decisão em prosseguir com a retirada da companhia do município. Por isso, gravou o vídeo mostrando o buraco deixado pela empresa no Bairro São Luiz.

“O vídeo foi gravado porque eu estou sendo questionado se tomei a melhor decisão sobre a retirada da Copasa de Divinópolis. Quis mostrar o descaso dela com a cidade não só em relação à água e esgoto, mas também sobre os serviços de manutenção que são mal executados”, disse.

Copasa

A Copasa informou que técnicos da companhia estiveram na Rua Urucuia, no Bairro São Luiz, onde identificaram a necessidade de manutenção na rede esgoto. Uma equipe já esteve no local para sinalizar a situação. A manutenção será realizada na tarde do dia 24 de fevereiro.

A companhia ressalta que até nests sexta-feira (21) não havia registro de qualquer reclamação nesse endereço por parte de nenhum morador.

A Copasa reforçou que, para agilizar o atendimento, os clientes registrem a situação com o endereço correto, gratuitamente, nos canais de relacionamento: Central de Atendimento “115”; Agência Virtual no site; ou pelo aplicativo Copasa Digital, disponível para IOS ou Android.

As ocorrências também podem ser registradas pelo WhatsApp (31) 99770-7000, com funcionamento de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h. Assim as demandas serão encaminhadas diretamente ao sistema de gerenciamento e serão repassadas imediatamente às equipes da empresa.

Veja a nota enviada ao g1 pela companhia:

“A Copasa reafirma que não há qualquer irregularidade quanto ao contrato com Divinópolis. A lei federal que embasou a contratação previa expressamente a dispensa de licitação. A companhia opera em Divinópolis há 44 anos e o município realizou a contratação por entender que a Copasa possui expertise técnica em seus 58 anos de atuação, bem como ampla capacidade econômico-financeira para realizar altos investimentos na cidade, o que de fato está sendo feito.

Por sua vez, o município delegou para o Estado a regulação dos serviços que atua por meio de agência reguladora técnica e independente, que define as tarifas dos serviços. A Copasa não concorda com a decisão municipal, no que adotará as medidas judiciais cabíveis”.

Nulidade do contrato

A nulidade do contrato com a Companhia de Abastecimento de Minas Gerais (Copasa) foi reforçada, durante entrevista coletiva na semana passada, concedida pela Prefeitura de Divinópolis. A empresa cometeu oito irregularidades no período de 2011 até o momento, conforme apresentado pelo Executivo.

Segundo o controlador geral do município, Diôgo Andrade Vieira, entre as irregularidades, estão a falta de justificativa de preços da tarifas por parte da Companhia e a dispensa de licitação na contratação da própria Copasa, por meio da gestão responsável em 2011.

Fonte: g1 Centro-Oeste

Comentários