Por Priscila Rocha- Últimas Notícias

A greve geral dos servidores da Educação completa 31 dias nesta sexta-feira (13). A manutenção pela paralisação foi decidida nessa quinta-feira (12), em assembleia geral realizada pelo Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG), na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

O encontro contou com a presença de professores de Formiga. Na terça-feira (10), em reivindicação ao reajuste do piso salarial, pagamento do 13º salário e o fim do parcelamento dos salários, os educadores realizaram uma manifestação no município.

Cerca de 80 professores se reuniram na praça São Vicente Férrer e munidos de cartazes e com o apoio de alunos realizaram uma passeata até a loja Zema, estabelecimento que pertencente a rede varejista do governador de Minas Gerais, Romeu Zema.  Os educadores realizaram um ato em frente ao estabelecimento.

Todas as escolas estaduais de Formiga aderiram por completo ou parcialmente à paralisação dos servidores da educação. Das sete escolas estudais do município apenas duas aderiram à greve parcialmente: Aureliano Rodrigues Nunes e José Bernardes de Faria. Nenhuma turma do ensino médio está sendo atendida.

Escolas Estaduais  

Escola Estadual Abílio Machado (Polivalente)
Adesão  

paralisada
Escola Estadual Aureliano Rodrigues Nunesatendimento parcial
Escola Estadual Jalcira Santos Valadão (Normal)paralisada
Escola Estadual Joaquim Rodarteparalisada
Escola Estadual Rodolfo Almeidaparalisada
Escola Estadual Tonico Leite (GOT)paralisada
Escola Estadual  Jose Bernardes de Fariaatendimento parcial

Reivindicação

O sindicato pede que o governador sancione o Projeto de Lei 1.451/2020 e a emenda 2/2020, que garantem isonomia salarial ao funcionalismo e o pagamento do piso salarial nacional aos educadores. Em caso de sanção, os servidores receberão um aumento de 41,7%.

Na próxima quarta-feira (18), o Sind-UTE/MG realizará uma nova assembleia.

COMPATILHAR: