Em seu primeiro mês à frente do governo cubano, Raúl Castro autorizou a venda de alguns aparelhos eletrônicos até então proibidos pelo Estado. Um memorando interno do governo publicado ontem eliminou as restrições a alguns aparelhos que eram proibidos. A lista inclui computadores, televisores de 19 e 24 polegadas, alarmes de carro, microondas, entre outros produtos que agora podem ser comprados pelos cubanos.
Baseado na melhora da eletricidade disponível, o governo aprovou a venda de alguns equipamentos até então proibidos, diz o documento oficial. Também estão liberados para a venda em Cuba panelas de pressão elétricas, panelas de arroz, alarmes de carro, microondas e bicicletas elétricas.
Raúl Castro, 76, está no comando de Cuba desde o dia 31 de julho de 2006, quando seu irmão, Fidel Castro, deixou provisoriamente o poder para se recuperar de uma cirurgia após apresentar problemas no intestino. Raúl Castro se tornou formalmente o novo líder de Cuba em 24 de fevereiro, após o irmão Fidel Castro permanecer quase meio século no poder, e prometeu atenuar algumas restrições aos cubanos.
A prioridade do país será atender as necessidades básicas da população, tanto materialmente quanto espiritualmente, afirmou Raúl no passado recente, quando substituiu o irmão. Em seu discurso de posse, Raúl prometeu o início da eliminação de proibições mais simples. O novo presidente defendeu uma estrutura estatal mais compacta e funcional, com um número menor de organismos da administração central e uma melhor distribuição das funções, com vistas a tornar mais eficiente a gestão do governo.

Comentários
COMPATILHAR: