Criadores de Minas Gerais devem acelerar a vacinação do gado contra a febre aftosa. A segunda etapa de imunização da Campanha Nacional contra a doença, em território mineiro, tem seu prazo final no dia 30 de novembro. A vacinação teve início no dia primeiro deste mês e envolveu 9,5 milhões de bovinos e bubalinos de 0 a 24 meses de idade, em 336,8 mil propriedades rurais distribuídas por todos os municípios do estado.
A fiscalização da ação é de competência do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), órgão responsável pela defesa sanitária animal em Minas. Depois da realização da etapa de vacinação (1 a 30 de novembro) a declaração pode ser feita em qualquer escritório do IMA, até 10 de dezembro, apresentando a nota fiscal de compra da vacina e a Carta Aviso preenchida com o número de bovinos e bubalinos existentes e os imunizados, por idade e sexo.
Após esse período, a declaração só pode ser feita no escritório do IMA que atende ao município onde está localizada a propriedade rural. O produtor que não vacinar terá que pagar uma multa de R$ 50,87 por animal não vacinado. Além disso, perderá o direito de requerer a Guia de Trânsito Animal (GTA), que lhe dá o direito de circular por todo o território mineiro e nacional com seus animais.
Para o diretor-geral do IMA, Altino Rodrigues Neto, o avanço no combate à febre aftosa é o resultado do trabalho de parceria entre o governo e a iniciativa privada e da grande conscientização do produtor rural mineiro para a importância da imunização de seus animais. A necessidade de melhorar o status sanitário do nosso rebanho (22,2 milhões de animais) é tema constante da estratégia do Governo de Minas Gerais, dos pleitos das entidades dos produtores e da pauta das associações de classe.

Comentários
COMPATILHAR: