Foi assinado na tarde de ontem pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em solenidade ocorrida na Academia Brasileira de Letras (ABL), no Rio de Janeiro, o decreto que estabelece a reforma ortográfica da Língua portuguesa, que, a partir de agora se unificará, pelo menos em termos de regra, à ortografia dos outros países de língua portuguesa: – Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Timor Leste e Portugal.
A mudança passa a valer a partir de 2009 e o MEC exigiu que essas regras sejam repassadas para os livros didáticos de todas as escolas até 2010.
No decreto também foi estabelecido que todos os países terão 4 anos (de 2009 a 2012) para efetivarem as mudanças, durante esse período de transição ficam valendo tanto a ortografia atual quanto as novas regras. Assim, concursos e vestibulares deverão aceitar as duas formas de escrita ? a atual e a nova.

O que muda na escrita
De acordo com especialistas, 0,45% das palavras brasileiras sofrerão alterações, ao passo que em Portugal haverá mudanças em 1,6% dos vocábulos. As regras que mudam são as seguintes:
Novas letras ? há a incorporação do k, do w e do y ao alfabeto. O número de letras passa de 23 para 26.
Trema ? deixa de existir. A grafia passa a ser: linguiça e frequente.
Acentos diferenciais ? serão suprimidos acentos como o de ?pára?, do verbo parar.
Acentos agudos de ditongos ? somem os acentos de palavras como ?idéia?, que vira ?ideia?.
Acento circunflexo ? somem os acentos de ?vôo? ou de ?crêem?.
Hífen ? palavras começadas por ?r? ou ?s? não levarão mais hífen, como em anti-semita (ficará ?antissemita?) ou em contra-regra (ficará contrarregra).

Comentários