O céu sorriu para os moradores do hemisfério sul nesta segunda-feira à noite, quando Vênus e Júpiter se alinharam sobre a lua crescente formando um rosto sorridente, com Vênus como o olho esquerdo, e Júpiter o direito.
Depois da própria Lua e do Sol, Vênus e Júpiter são os astros de maior brilho. No céu claro de Brasília via-se dois pontos bem brilhantes, que formavam com a Lua crescente um triângulo.
O ponto da esquerda era Vênus, o planeta tão luminoso que ganhou o nome da deusa romana da beleza e, em alguns lugares, é chamado de Estrela D´alva.
Alinhado a Vênus estava outro planeta, Júpiter, o maior de todo o sistema solar. O nome dele é o mesmo que os romanos deram ao deus dos deuses.
Mas, daqui da Terra, Júpiter parece menor que Vênus. É porque está muito mais longe, a mais de 800 milhões de quilômetros.
Durante uma hora e meia foi possível ver o fenômeno, que terminou às nove horas. Quem perdeu a oportunidade, terá outra, em 2052.
Para os astrônomos, a conjunção Vênus-Júpiter-Lua não tem maior significado.
Mas os astrólogos dizem que ela é muito boa para consolidar projetos antigos ou relações já existentes. E que vai beneficiar, sobretudo, quem é do signo de capricórnio.
A última vez que um fenômeno semelhante foi visto no hemisfério sul foi há mais de 10 anos.

COMPATILHAR: