O programa Fantástico, da Rede Globo, exibiu na noite desse domingo (6), uma reportagem em que uma estudante universitária é acusada de atrair grávidas interessadas em interromper a gestação.

 Luciane Fernandes Ferreira está sendo acusada de realizar mais de 200 abortos clandestinos em quartos de hotéis de Belo Horizonte.

De acordo com a reportagem, uma das vítimas, de 22 anos, procurou ajuda na Santa Casa de Caridade de Formiga. A bebê nasceu com cerca de 8 meses de gestação, seis semanas antes do final da gravidez.

“Eu falei para ela que estava sentindo dor. Se eu podia tomar remédio para dor e ela disse que podia. Só que estava doendo muito”, disse a vítima,

A criança deu entrada no hospital no dia 1º deste mês. A assessoria da Santa Casa informou que a jovem não é de Formiga e sim de uma cidade vizinha.

Em entrevista ao programa, a médica neonatologista, Tacyanna Frade relatou que “o Samu trouxe o bebê em estado extremamente grave, correndo risco de vida, provavelmente pelo remédio que ela tomou, interrompendo a gestação, fazendo esse parto prematuro. O bebê está estável, mas nós ainda não temos previsão de alta”, disse a médica.  

Com uma rotina de trabalho disciplinada, a estudante de jornalismo, de 37 anos, realizou cerca de 200 abortos durante três anos. Os crimes foram praticados dentro de 24 hotéis em Belo Horizonte e na Região Metropolitana da capital. Foi num desses hotéis que Luciane foi presa em flagrante mês passado. As clientes estavam prestes a tomar medicamentos abortivos.

O esquema de Luciane começava muito antes do aborto no hotel. Ela atraía as clientes com propagandas em redes sociais e tinha até uma tabela de preços de acordo com o tempo de gravidez das clientes. Quanto mais avançada a gestação, mais ela cobrava pelo serviço, que variava entre R$3 mil e R$8 mil.

Depois do flagrante no hotel, Luciane ficou presa durante 21 dias. Ela foi solta porque alegou precisar cuidar do filho de seis anos e vai responder o processo em liberdade.

 

Fonte: G1 ||
Comentários
COMPATILHAR: