O vereador Cid Corrêa/PR encaminhou um ofício à Secretaria de Saúde solicitando que a administração municipal organizasse um evento apresentando os cuidados que as pessoas do município devem ter com a audição. Um dos motivos foi o projeto de lei 580/2012, que autoriza a abertura de crédito suplementar no valor de R$368.557,29, com o objetivo de dar apoio às Campanhas de Saúde Auditiva, aprovado no dia 7 de maio.
?Neste evento, a população poderia realizar exames auditivos gratuitos para a identificação de possíveis problemas, além de tirar dúvidas e receber orientações de profissionais, esclarecendo sobre a perda auditiva e as possibilidades de tratamentos. Muitas pessoas têm alterações auditivas e não percebem. É importante chamar a atenção de todas as faixas etárias para os problemas da audição?, disse o vereador no dia da aprovação do projeto.
Nesta semana, em resposta ao ofício, a secretária de Saúde, Luiza Flora, explicou que o programa Saúde Auditiva foi implantado em Formiga, em setembro de 2006, e teve como referência para prestação de serviços a empresa Otocenter Serviço Integrado de Audiologia Ltda. Desde então, o serviço vem realizando palestras para orientar, tanto a população quanto os profissionais de saúde, sobre detecção e tratamento da perda auditiva.
Segundo informou a secretária, no ano passado, o Dia da Conscientização sobre o Ruído (Inad) foi comemorado dia 27 de abril e, durante toda a semana, a Otocenter realizou palestras para orientações sobre a audição em todo o município, principalmente nas escolas.
A triagem auditiva neonatal, conhecida como teste da orelhinha, já está sendo realizada em todos os recém-nascidos de Formiga e o próximo passo é estender este serviço para toda a microrregião.
Fila
Ainda de acordo com Luíza Flora, o maior problema verificado no município é a enorme fila de espera para concessão de aparelho auditivo (AASI), já que, atualmente, há uma cota mensal de apenas sete pacientes para toda a microrregião para adaptação de AASI e a Secretaria de Saúde recebe, aproximadamente, dez processos/mês para inclusão no programa, o que faz com que haja constante aumento de pacientes na fila de espera por um aparelho auditivo.
Por ocasião da implantação do programa, os pacientes esperavam, no máximo, por seis meses para adaptar o AASI, porém o conhecimento da população sobre o serviço aumentou consideravelmente a procura pelo tratamento e gerou uma fila de 200 pacientes, o que denotou uma espera de dois anos e seis meses em maio de 2011. No segundo semestre de 2011, foi realizada uma campanha pelo Estado, e a fila de espera diminuiu para 146 pacientes em dezembro de 2011.
No atual mês, há 166 pacientes na fila de espera, sendo que aqueles agendados para o mês corrente precisaram aguardar por dois anos até o atendimento do serviço, fato que denota a necessidade de aumento no quantitativo assistencial, contudo, a definição do número de cotas de atendimento é definido pelo Estado. ?Há de convir que as sugestões apresentadas pelo vereador Cid Corrêa visando à prevenção e a orientação sobre a saúde auditiva já estão sendo promovidas?, explicou a secretária.
Quando o projeto foi aprovado na Câmara, Luiza Flora ressaltou que no final do ano passado, a secretaria teve um grande número de procura pelos serviços de audiologia, que tiveram de ser adiados por falta de recurso financeiro. ?Com isso, o Estado liberou um recurso extra e foi preciso essa aprovação na Câmara. Esse é um projeto da Clínica de Audiologia Doutor Sebastião Magela Guimarães, conhecida como Clínica Otocenter, localizada à rua Dr. Teixeira Soares. Eles são credenciados pelo SUS e esse é um repasse extra para atender cerca de130 pacientes e precisamos repassar esse dinheiro para eles, pois já cumpriram a campanha?, disse.

Comentários
COMPATILHAR: