Com estas palavras o representante do Ministério Público e promotor de Justiça, Guilherme de Sales Gonçalves, encerrou a reunião por ele presidida e na qual a atual administração prestou informações sobre todas as ações ali realizadas a partir de 2018, quando a entidade esteve sob a direção da Gestora Executiva, Myriam Araújo Coelho, e do Superintendente Administrativo, Marcos Caetano. Os principais problemas que a entidade enfrenta para manter os serviços em funcionamento também ali foram tratados.

A reunião ocorreu na quarta-feira (20), na sede da Sociedade São Vicente de Paulo, Conselho Metropolitano e contou com a presença de cerca de 80 participantes: autoridades municipais, membros da sociedade civil ali representando clubes de serviço, CDL, ACIF, Maçonaria, Rotary, médicos e funcionários da Santa Casa, tendo ainda presentes cerca de 14 Irmãos Benfeitores.

Myriam apresentou os nomes do comitê gestor da entidade que é formado por membros de várias áreas atuantes dentro do hospital. Comentou sobre a estrutura física da instituição e explicou o motivo das obras realizadas nos últimos anos, que incluem a Adequação da Estrutura do Serviço Administrativo; Reforma da UND; Aquisição de Toldos para os quartos de Enfermaria da Maternidade; Cobertura metálica para o telhado; Reforma UTI Neonatal, Reforma Maternidade, Construção do Centro Obstétrico e Construção de alojamento para as mães da UTI Neonatal; Construção Unidade de Isolamento com 4 leitos individuais (Ala 1), Implantação de Rede de Gases Medicinais para 34 leitos e Aquisição Poltronas para Alas do SUS; Construção Pronto Atendimento e Sala Vermelha; Reforma 10 quartos Ala 3 – Particular e Convênio (com aquisição de TV e ar condicionado e sofá cama); Revitalização da Portaria Interna e Administrativa e Fachada da Santa Casa; Reforma CTI Adulto – 18 leitos (troca de piso e instalação de rede de gases medicinais e rede de água para máquina de osmose (Hemodiálise); Construção Necrotério e Abrigo de Resíduos; Ateliê de Costura (Aquisição de máquinas de costura e peças de tecidos) e Reforma Centro de Imagens.

Também a Construção do PACE – Posto de Coleta de Sangue do Hemominas; a Construção da CME – Central de Material de Esterilização e Construção do CTI Geral com 10 leitos, obras que  totalizaram o valor de R$ 3.132.187,97, valor este resultante de emendas parlamentares, e de recurso próprio do hospital e doações, foram objeto de análise na mesma oportunidade. Marcos Caetano falou de aumento de serviços durante este período e o que ele significa para toda a população, além da alteração nos serviços administrativos da entidade para melhor funcionamento do hospital. Também explicou sobre a parte financeira da entidade que a nova gestão tanto tem lutado para colocar em dia, beneficiando todos os colaboradores, e apresentou o fluxo de caixa com as receitas e despesas atuais.

O assessor jurídico, Antônio Monteiro e o representante da Contal falaram sobre as ações trabalhistas e cíveis, e sobre o posicionamento contábil do hospital.

Ao final da reunião, foram apresentadas as ameaças para a sustentabilidade financeira da entidade que se baseou no custo mensal para aquisição de medicamentos e materiais; a OPME (Órteses, Próteses e Materiais Especiais); o piso salarial da enfermagem aprovado pelo PL2564/2020; a dívida com a CEMIG que está no valor de R$ 2.907.105,80; o Bacen Jud e as ações trabalhistas da UPA Padre Roberto, em Divinópolis.

Comentários
COMPATILHAR: