A Assembleia Legislativa de Minas (ALMG) tem investido intensamente para se fazer presente no interior do Estado. Só em notas para a agência de viagens que atende a Casa, foram pagos R$ 2,6 milhões em 2013. A soma revela que, somente com deslocamentos de deputados e servidores, a Assembleia pagou R$ 4,4 milhões no ano passado.
Os lançamentos que aparecem na execução orçamentária entre janeiro e dezembro de 2013 são todos para a Atrium Turismo. A relação das notas chama a atenção não só pelos valores elevados, mas também pelas datas em que aconteceram.
Só em janeiro de 2013, ? mês em que os parlamentares estão de férias, assim como boa parte dos funcionários ?, foram gastos R$ 92 mil com a agência. Em julho, quando as atividades são consideravelmente reduzidas, foram pagos R$ 334,8 mil com esse tipo de despesa. Em dezembro do último ano, foram outros R$ 269,9 mil.
A assessoria da Assembleia não soube detalhar quem realizou as viagens e sua finalidade. Segundo a Casa, deputados e servidores podem requisitar o serviço para participar de atividades parlamentares, como reuniões das comissões no interior, ou de eventos em que representem o Legislativo.
A Atrium atende a ALMG desde 2010, de acordo com a assessoria da Casa, quando a empresa venceu uma licitação. Até julho do ano passado, o contrato sofreu ao menos três aditamentos para prorrogar a prestação do serviço. Em julho, a mesma empresa venceu uma nova licitação no valor de R$ 2,735 milhões, que irá vigorar até julho deste ano. Desse teto, R$ 1,5 milhão já haviam sido executados até o mês passado.
O contrato inclui a compra de passagens aéreas dentro de Minas, no Brasil e até no exterior, hospedagem e aluguel de carro no local de destino.
Os R$ 2,6 milhões gastos com pacotes de viagem representam apenas uma parte do tamanho do empenho dos representantes da população em ?cobrir? todo o Estado. Entre janeiro e dezembro, a Assembleia pagou outros R$ 1,8 milhão em voos fretados. O serviço foi prestado por duas empresas: Líder Taxi Aéreo e Algar Aviation Taxi Aéreo. Ontem, a assessoria do Legislativo explicou que os fretes podem ser requisitados para visitas em cidades que estejam a mais de 200 km da capital.
O total de R$ 4,4 milhões, se gasto apenas em fretamento, seria suficiente para os deputados percorrerem 314 mil km. O montante poderia arcar ainda com 22 mil passagens de ida e volta para Montes Claros, no Norte do Estado.
Cota
O gasto com viagens da Assembleia pode ser ainda maior do que os R$ 4,4 milhões. A apuração não levou em consideração os custos com carro oficial nem o valor disponível para cada deputado a título de verba indenizatória: R$ 5.000 para despesas de viagem, além de R$ 5.000 para combustível.
Parcial de deslocamentos
Algumas viagens de deputados e servidores em 2013, segundo a assessoria.
Comissões: 159
Prestação de contas: 20
Parlamento Jovem: 18
Assine + Saúde: 12
Marcha Contra o Crack: 5
Veículos
A assessoria disse que as viagens listadas por ela não se referem apenas a deslocamentos com fretes ou pacotes. Algumas foram realizadas com veículo oficial, mas a Casa não detalhou quais.
Estacionado
Avião. Além desses valores, a ALMG pagou R$ 234 mil para manter uma aeronave estragada ? cedida pelo governo do Estado ? durante o ano passado.

Comentários