Foi divulgado que o apagão ocorrido entre a noite de terça (10) e esta madrugada teria atingido pelo menos 10 estados, mas, na verdade foram atingidos 18 estados, segundo o Ministério de Minas e Energia (MME). Por meio de uma nota técnica do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), foi informado que quatro estados foram afetados na totalidade: São Paulo, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro e Espírito Santo.
Nos outros 14 estados o apagão foi parcial, atingindo parte de Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Acre, Rondônia, Bahia, Sergipe, Paraíba, Alagoas, Pernambuco e Rio Grande do Norte.
Ainda segundo a nota técnica, as usinas nucleares de Angra I e Angra II, no Rio de Janeiro, também foram desligadas na mesma sequência de interrupções de energia que ocorreram em grande parte do país. Angra II desligou automaticamente às 22h13 devido à perturbação geral no SIN [Sistema Interligado Nacional], conforme item ´Ocorrência na rede de Operação´, permanecendo desligada. A UG [Unidade de Gerador] tem previsão de sincronismo para 17h do dia 11/11/09 , destaca a nota.
Angra I também desligou automaticamente na noite de terça-feira. A usina, porém, permanece desligada e não tem previsão para voltar a operar.
Identificando as causas
Técnicos do Nacional do Sistema Elétrico (ONS) fazem uma varredura desde a madrugada desta quarta-feira nas linhas de transmissão que teriam provocado o apagão, segundo informações do Ministério de Minas e Energia.
Assim, os trabalhos estão concentrados no Paraná e São Paulo, onde se encotram as torres que teriam ocorrido o problema de transmissão. De acordo com o secretário-executivo do MME, Márcio Zimmermann, foram detectadas panes em duas linhas que ligam a cidade de Ivaiporã (PR) a Itaberá (SP) e em uma terceira que interliga as estações de Itaberá e Tijuco Preto (SP).
As causas do blecaute devem ser apresentadas ainda nesta tarde, após a reunião emergencial do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico, convocada pelo ministro de Minas e Energia, Edison Lobão.

Comentários