Um cão de rua que vivia nas imediações da praça São Vicente Férrer foi encontrado na manhã dessa quarta-feira (30) agonizando. O animal, de pelagem escura, chamado carinhosamente pelos voluntários das associações de defesa animal, de Peludão, chegou a ser levado para uma clínica veterinária, mas acabou morrendo.

O mais estranho, é que essa não é a primeira morte de cães, por envenenamento, naquela região. Outro animal já havia sido encontrado, no início do mês, nas mesmas condições. Os animais costumavam a andar juntos.

“Há ainda, casos de gatos envenenados nas imediações da praça”, comentou Márcia Alves, que preside a Associação Protetora dos Animais de Formiga (Apaf).  Ela afirma que os dois cães que foram mortos recentemente eram vacinados e castrados e diariamente recebiam ração e água de protetores (nome dado aos voluntários da Apaf). “Além disso, eram animais dóceis e não há justificativa para um ato desses”.

Autoridades já foram cientificadas sobre os crimes

Além da Apaf, Formiga conta com o Grupo de Apoio aos Animais de Rua de Formiga (Anjos Gaar). Ambos são formados por voluntários, que realizam, por meio de doações e de recursos próprios, ações em benefício dos animais, que vão desde a alimentação a campanhas para vacinação, vermifugação e castração. Os grupos não possuem abrigo e, por esse motivo, não recolhem animais das ruas.

 

 

 

 

 

Redação do Jornal Nova Imprensa

COMPATILHAR: