Fotografias em que uma densa camada de poluição não deixa ver o Sol em plena luz do dia eram comuns na China na última década. Não mais.

O país reduziu em 40% a quantidade de partículas nocivas no ar entre 2013 e 2020, segundo o relatório apresentado em junho pelo Instituto de Política de Energia da Universidade de Chicago (EPIC, na sigla em inglês), nos EUA, que realiza medições por satélite.

É a maior redução da poluição do meio ambiente em um país em um período tão curto de tempo.

Na verdade, os Estados Unidos levaram três décadas para atingir um objetivo semelhante desde a histórica Lei do Ar Limpo de 1970.

Como a China conseguiu fazer isso em tão pouco tempo?

Para responder a esta pergunta, primeiro temos que voltar a 2013, quando a poluição do ar no país asiático atingia níveis extremos.

Naquele ano, a China registrou uma média de 52,4 microgramas (µg) por metro cúbico (m3) de partículas poluentes PM2,5 — dez vezes mais do que o limite recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) hoje.

As partículas finas PM2,5, provenientes da combustão de resíduos e combustíveis fósseis, são muito prejudiciais à saúde devido à sua alta capacidade de penetração nas vias respiratórias.

“Naquele momento, Pequim vivia o que chamamos de airpocalipsis (algo como “apocalipse do ar”), com eventos de poluição extrema que conscientizaram as pessoas sobre o problema”, explica Christa Hasenkopf, diretora de programas de qualidade do ar do EPIC e coautora do estudo, à BBC News Mundo, serviço de notícias em espanhol da BBC.

Diante da gravidade da situação, o governo chinês declarou guerra à poluição do ar.

No final de 2013, ativou o Plano de Ação Nacional da Qualidade do Ar para reduzir a poluição em um período de quatro anos, com um generoso orçamento de US$ 270 bilhões (R$ 1,4 trilhão em valores atuais), aos quais se somaram outros US$ 120 bilhões de financiamento de Pequim.

A batalha contra o carvão

Este plano estabeleceu metas específicas para reduzir a poluição em 35% nos quatro anos seguintes.

E o inimigo número um foi justamente o mineral que possibilitou a rápida industrialização da China desde o último quarto do século 20 e se converteu na principal fonte de energia do país: o carvão.

O governo proibiu a construção de novas usinas de carvão nas cidades e regiões mais poluídas e forçou as existentes a reduzir as emissões ou mudar para gás natural.

Só em 2017, foram fechadas 27 minas de carvão na província de Shanxi, a maior produtora deste mineral na China.

Em janeiro de 2018, a última usina de carvão em Pequim foi fechada, enquanto o governo chinês cancelou planos de construir outras 103 usinas.

Embora o carvão continue sendo a principal fonte de eletricidade da China, passou de 67,4% da produção total em 2013 para 56,8% em 2020, segundo dados oficiais do país.

Para compensar a descarbonização, o governo chinês também aumentou a geração de energia a partir de fontes renováveis.

E fez isso ao ponto de que em 2017 as energias renováveis ​​representavam um quarto da geração total de eletricidade do país, superando inclusive os Estados Unidos, onde o percentual foi de 18% no mesmo ano.

Também promoveu ativamente a energia nuclear: entre 2016 e 2020 dobrou sua capacidade para 47 GW, com 20 novas usinas — e até 2035 planeja alcançar 180 gigawatts, quase o dobro da capacidade atual dos Estados Unidos.

Restrições a automóveis

Outra medida foi reduzir a capacidade de produção de ferro e aço do setor: apenas entre 2016 e 2017, diminuiu 115 milhões de toneladas.

E, claro, colocou os holofotes sobre os veículos com motor de combustão.

Em Pequim, Xangai, Guangzhou e outras grandes cidades, o número de carros em circulação foi restringido com cotas diárias, e o número de novas placas por ano também foi limitado.

Isso não impediu que os automóveis em atividade na China passassem de 126 milhões em 2013 para 273 milhões em 2020, segundo dados oficiais.

Claro, com menos emissões: o governo endureceu as normas e, no fim de 2017, suspendeu a produção de 553 modelos de veículos nacionais e estrangeiros que poluíam demais.

Ênfase nas principais cidades

“Estimamos que a China como um todo ganhará 2 anos em sua expectativa média de vida se os cidadãos continuarem respirando um ar mais limpo em relação aos níveis de 2013”, indicou a diretora de programas de qualidade do ar do EPIC.

Hasenkopf destaca que a maioria das principais cidades do país conseguiu reduzir sua poluição mais do que a média nacional de 40% entre 2013 e 2020.

Em Xangai, as partículas diminuíram 44%, em Guangzhou 50%, em Shenzhen 49% e em Pequim 56%.

“Os cidadãos das quatro cidades respiram um ar significativamente mais puro”, afirma.

Mais planos

O programa de quatro anos de 2013 foi seguido por mais dois planos trienais para combater a poluição do ar, um em 2018 e outro em 2020, que endureceram ainda mais as medidas de controle das emissões.

Por outro lado, as restrições e confinamento em decorrência da pandemia de Covid-19 reduziram a atividade industrial e os transportes, o que se traduziu em uma diminuição da poluição.

Questionada se isso pode ter influenciado o resultado do estudo, Hasenkopf respondeu que o impacto da pandemia não havia sido avaliado de forma específica.

Ela assegurou, no entanto, que “os dados para 2020 na China parecem se enquadrar, no geral, em uma tendência constante de diminuição dos níveis de poluição desde 2014”, minimizando o fator covid.

Fonte: G1

Comentários
COMPATILHAR: