A Conmebol anunciou, nesta quarta-feira, a abertura do processo disciplinar contra o Real Garcilaso-PER, por conta das ofensas racistas da torcida contra o volante Tinga, do Cruzeiro, na última quarta-feira, em jogo válido pela Copa Libertadores da América.
De acordo com a entidade, a abertura do processo na Comissão Disciplinar foi feito após denúncia feita pela Raposa. O clube peruano tem até 12h (horário de Assunção, Paraguai, sede da Conmebol) do dia 24 de fevereiro para apresentar sua defesa. Entre as possíveis punições ao Real Garcilaso, estão multa, disputar partidas com portões fechados, e até a exclusão da competição continental. A Unidade Disciplinar da Conmebol só dará a sentença após a apresentação da defesa.
Enquanto prepara sua defesa para o caso, o Real Garcilaso volta a campo pela Libertadores na noite desta quarta-feira, às 19h30 (horário de Brasília), para enfrentar o Defensor-URU. Cruzeiro e Universidad de Chile se enfrentam pelo outro jogo da segunda rodada do grupo 5 apenas na próxima terça-feira.
Confira o comunicado divulgado pela Conmebol:
A Unidade Disciplinar da Conmebol notificou hoje [quarta-feira] o Real Garcilaso que abriu um expediente disciplinar para investigar uma infração disciplinar.
A abertuda do expediente foi feita uma vez que encerrou-se a investigação preliminar que dias atrás iniciou a Unidade Disciplinar após denúncia do Cruzeiro Esporte Clube, na qual o clube brasileiro manifestou que torcedores do clube peruano tiveram conduta racista contra um de seus jogadores.
Atualmente, o clube Real Garcilaso se encontra em prazo de apresentar alegações em sua defesa, que será concluída na próxima segunda-feira, 24 de fevereiro, às 12h (horário de Assunção, Paraguai).
Concluído esse trâmite, o Tribunal de Disciplina da Conmebol ditará decisão a respeito do caso.

Comentários