O empresário Eduardo Marciano pretende entrar com ação na Justiça americana contra o governo brasileiro. O motivo é uma dívida de US$ 100 mil contraída pelo Consulado Brasileiro em São Francisco, na Califórnia, com a empresa de Marciano, a NS Limo, quando houve uma visita da presidente Dilma Rousseff aos Estados Unidos, no mês passado. 

A dívida refere-se ao aluguel, com 25 motoristas, de dois ônibus, um caminhão, três vans e 20 limusines, segundo Marciano. “Já fui mais de dez vezes ao Consulado. Eles dizem que não têm dinheiro para pagar, que estão esperando chegar o recurso”, conta o empresário. 

Segundo ele, o contrato feito com o consulado previa o pagamento assim que o serviço fosse concluído, logo após a visita da presidente, em 1º de julho. Os veículos e os motoristas ficaram duas semanas à disposição do consulado — de 16 de junho a 2 de julho – incluindo a preparação da viagem e o traslado de funcionários ao aeroporto. 

Marciano, nascido em Cruzeiro, no interior de São Paulo, está há onze anos nos Estados Unidos e tem a empresa há três. Ele disse que, durante esse tempo, nunca sofreu atrasos em recebimentos. “Aqui, antes do serviço ser feito, o cliente dá o número do cartão. Assim que é realizado, ele paga. Eu nunca tinha tomado um calote, nunca vi nada parecido”, conta. 

O Ministério das Relações Exteriores respondeu, por meio da Assessoria de Comunicação, que “já foram tomadas providências para efetuar o pagamento no mais breve prazo.”

 

Jornal Estado de Minas

Comentários