Pacientes do Sul de Minas estão preocupadas com a falta de medicamento usado no tratamento contra o câncer de mama. Até o momento, Minas Gerais recebeu apenas 25% da quantidade prevista para este trimestre. Em Varginha, ainda há estoque da medicação, mas existe o risco de acabar caso novas remessas não sejam recebidas.

Segundo dados do Ministério da Saúde, das 19.396 unidades do medicamento ‘Trastuzumabe’ previstas para o 3º trimestre de 2023, apenas 4,9 mil unidades foram entregues ao estado. Se comprado de forma particular, o valor acaba sendo muito alto; custa entre R$ 2,5 mil e R$ 3 mil. Por isso, o recebimento via Sistema Único de Saúde (SUS) é fundamental para as pacientes.

Em Varginha ainda existe um pequeno estoque do medicamento, mas há o risco de acabarem as unidades se a nova remessa não for recebida.

Bruno Aquino, médico oncologista, no Hospital Bom Pastor, único local de tratamento contra o câncer de mama na cidade, ainda há um estoque que para tratar as pacientes que já iniciaram o tratamento até o final do mês.

Se não for enviada uma nova remessa pelo Governo Federal, essas pacientes vão ficar sem o tratamento nas próximas semanas. Isso pode impactar de forma muito negativa no tratamento delas”, explica o oncologista.

Segundo o médico, foi informado que um novo pedido de uma nova remessa teria sido feito, e que deveria ser enviado essa semana ainda.

Hoje nós estamos com 85 pacientes. Acabei de iniciar mais uma agora em consulta. Esse medicamento é aplicado a cada 21 dias. Quando a paciente já fez a cirurgia e vai usar esse medicamento para diminuir o risco de a doença não voltar, ela faz 16 aplicações, uma a cada 21 dias. Quando ela tem uma doença avançada, com metástases, essa aplicação é feita continuamente a cada 21 dias até que a gente veja que a doença houve uma progressão”, explica.

O Ministério da Saúde afirmou, em nota, que um pedido de antecipação da próxima entrega já foi feito ao laboratório, que está atento ao cumprimento dos prazos contratuais e ao cronograma de abastecimento de medicamentos e que irá repassar as doses que faltam a Minas Gerais no prazo.

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) esclareceu que sobre alguns medicamentos oncológicos, como o caso do Trastuzumabe, o Ministério da Saúde assumiu a aquisição centralizada e distribui esse item trimestralmente aos estados, e que a SES faz apenas a logística de distribuição.

 

Fonte: G1

 

COMPATILHAR: