Governo de MG cria força-tarefa para conter colapso do sistema prisional

A ideia é propor adequações na política prisional e avaliar a gestão dos contratos de parceria público-privada.

COMPATILHAR:

A ideia é propor adequações na política prisional e avaliar a gestão dos contratos de parceria público-privada.

O Governo de Minas criou uma força-tarefa para analisar, diagnosticar e propor alterações no sistema prisional, no prazo de 90 dias, no âmbito da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds). A medida foi publicada na Imprensa Oficial na quinta-feira (14), após o sistema carcerário da Região Metropolitana de Belo Horizonte entrar em colapso, com a impossibilidade de receber novos presos devido à superlotação.
Entre os objetivos dessa ação, está propor adequações na política prisional, avaliar a gestão dos contratos de parceria público-privada, analisar os fluxos e rotinas operacionais do sistema, e até o levantamento de propostas emergenciais para combater o déficit de vagas nos presídios. Diagnosticar a formação e alocação de recursos humanos também completa as demandas.
Delegacias de flagrantes têm sido transformadas em cadeias improvisadas, abarrotadas de detentos que deveriam estar em centros de remanejamento. Ao mesmo tempo, equipes de policiais militares mantêm prontidão, enquanto as ocorrências não são encerradas e os casos repassados, em definitivo, para a Polícia Civil.
Os titulares de oito secretarias foram convocados para compor a força-tarefa. Podem ser convidados ainda, órgãos e entidades federais e municipais, instituições privadas, associações e representantes da sociedade civil em geral, órgãos e entidades estaduais que compõem o Sistema de Defesa Social.

Comentários
COMPATILHAR:

Sobre o autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Governo de MG cria força-tarefa para conter colapso do sistema prisional

A ideia é propor adequações na política prisional e avaliar a gestão dos contratos de parceria público-privada.

COMPATILHAR:

A ideia é propor adequações na política prisional e avaliar a gestão dos contratos de parceria público-privada.

 

O Governo de Minas criou uma força-tarefa para analisar, diagnosticar e propor alterações no sistema prisional, no prazo de 90 dias, no âmbito da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds). A medida foi publicada na Imprensa Oficial na quinta-feira (14), após o sistema carcerário da Região Metropolitana de Belo Horizonte entrar em colapso, com a impossibilidade de receber novos presos devido à superlotação.

Entre os objetivos dessa ação, está propor adequações na política prisional, avaliar a gestão dos contratos de parceria público-privada, analisar os fluxos e rotinas operacionais do sistema, e até o levantamento de propostas emergenciais para combater o déficit de vagas nos presídios. Diagnosticar a formação e alocação de recursos humanos também completa as demandas.

Delegacias de flagrantes têm sido transformadas em cadeias improvisadas, abarrotadas de detentos que deveriam estar em centros de remanejamento. Ao mesmo tempo, equipes de policiais militares mantêm prontidão, enquanto as ocorrências não são encerradas e os casos repassados, em definitivo, para a Polícia Civil.

Os titulares de oito secretarias foram convocados para compor a força-tarefa. Podem ser convidados ainda, órgãos e entidades federais e municipais, instituições privadas, associações e representantes da sociedade civil em geral, órgãos e entidades estaduais que compõem o Sistema de Defesa Social.

Redação do Jornal Nova Imprensa Hoje em Dia

Comentários
COMPATILHAR:

Sobre o autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.