Um surto por abstinência levou a reações afloradas em uma clínica de reabilitação de dependentes químicos em Montes Claros, no Norte de Minas, na noite dessa segunda-feira (23). Um homem, de 28 anos, foi morto por ao menos seis internos, de 21 a 55 anos, ao entrar em crise pela falta de entorpecente.

De acordo com a Polícia Militar de Montes Claros, foram os próprios internos que ligaram para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), alegando que o homem teria passado mal, caído e se machucado. Quando a equipe chegou ao local, porém, achou a versão estranha e acionou os militares e a perícia da Polícia Civil (PC).

Por meio de imagens de câmeras de segurança, foi possível confirmar que a vítima foi agredida com chutes, socos e pisadas até a morte. A gravação também mostrou que o homem teve um surto, quebrou uma janela e usou os cacos de vidro para ameaçar a enfermeira da clínica, a fim de conseguir, de alguma forma, sair da internação. Foi aí que começou a ser agredido.

A enfermeira deu duas versões do crime, uma antes e outra depois das imagens serem reveladas. Primeiro, ela disse que a vítima havia caído e tido uma parada cardíaca imediata, mas, com as imagens, admitiu toda a situação e disse ter tentado socorrer o homem.

Os internos também mudaram a versão e admitiram o crime, dizendo aos policiais que não tinham a intenção de matá-lo, apenas de proteger a enfermeira.

Os seis internos e a enfermeira foram encaminhados para a Delegacia de Plantão de Montes Claros. A reportagem entrou em contato com a Polícia Civil do município e espera retorno.

Fonte: O Tempo

Comentários
COMPATILHAR: