A “Semana da Inconfidência das Águas”, evento realizado pela Associação dos Municípios do Lago de Furnas (Alago), entre os dias 22 e 25 de março, foi celebrada, incialmente, na cidade de Alfenas.  Seu encerramento se deu em Formiga, nas dependências do Furnas Park Resort, contando com o apoio da Unelagos – União dos Empreendedores dos Lagos de Furnas e Peixoto e do grupo social Todos Por Furnas e Peixoto. Aqui também se abordou com riqueza de detalhes o tema: “Águas de Furnas em Debate”.

Do evento, que contou com a presença de cerca de 120 participantes, anotamos, dentre estes:  Eugênio Vilela, anfitrião, prefeito de Formiga; Professor Djalma Francisco Carvalho,     prefeito de Cristais e presidente da Alago; Leonardo Luiz Oliveira, vice-prefeito de Cristais e presidente do Circuito Grutas e Mar de Minas;  Nelson Lara, prefeito de Guapé; Marcelo Fernandes, presidente da Câmara Municipal de Formiga acompanhado de diversos vereadores deste e de outros municípios; Tulio Khouri presidente da Comissão Estadual de Direito Urbanístico, representando o presidente da OAB-MG; além dos deputados: Federal, suplente, Renato Andrade representando o gabinete do senador Rodrigo Pacheco; e estaduais Antônio Carlos Arantes, vice-presidente da Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais  e do Professor Cleiton, deputado autor da emenda constitucional 106, que garante as cotas mínimas pleiteadas. Diversos empresários e executivos dos muitos municípios ali representados também fizeram questão de, com suas presenças, hipotecarem solidariedade à causa.  A solenidade foi conduzida pelo Secretário Executivo da Alago, Fausto Costa e os grupos acima mencionados, usaram da palavra nas pessoas de suas lideranças: Thadeu Alencar e Regiane Lucas.  Os grupos são por todos reconhecidos como sendo uma das principais ferramentas de pressão junto ao poder público que, afinal de contas, é quem tem a caneta nas mãos para intervir e resolver a questão ali, exaustivamente, discutida.

Os presentes debateram e trocaram informações que embasam o pedido de respeito à cota mínima 762 e após a fala de muitos, a unanimidade de opinião emergiu e resultou, como era de se esperar, na exigência de que se determine com urgência as medidas que permitam o estabelecimento da operação do lago, entre a cota mínima e a máxima, 768. Isto se tornou na  reivindicação prioritária para ser perseguidas por este Estado na defesa de sua soberania e do povo brasileiro, que paga, mesmo sem poder, escorchantes taxas embolsadas pelo setor elétrico como a recém-estabelecida taxa de “escassez hídrica”.

Ao final do encontro foi apresentada a carta aberta a ser enviada ao presidente da República solicitando que a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) cumpra o que determina a Constituição Brasileira e a Mineira, notadamente, no que tange ao respeito ao uso múltiplo das águas e no que preceitua a Emenda Constitucional Mineira de nº 106.

Os signatários solicitam que o Presidente da República, diante da inércia de muitos órgãos governamentais, interfira para resolver a questão que, há mais de 20 anos, causa sérios danos sócio econômicos, financeiros e ambientais ao estado de Minas Gerais.

Cobraram também do governador uma postura mais corajosa e eficaz na defesa desta causa.

Na abertura dos trabalhos o jornalista e representante do Sindijori/MG, Paulo Coelho, em breve relato, resumiu a história que bem demonstra o sofrimento da população mineira, em especial a  que depende das águas de Furnas para sobreviver, o que se agravou acentuadamente, a partir da criação da Agência Reguladora que, até hoje, ignora a própria lei que a criou e insiste em manter a equivocada política de  esvaziamento do lago. Isto conforme se comprova técnica e juridicamente, em detrimento dos mineiros e, notadamente, para atender interesses de estados outros, em especial das populações e empresas localizadas no trecho banhado pelo Paraná/Tietê.

Cerca de 100 convidados que participaram do evento até o seu encerramento, almoçaram nas dependências do luxuoso hotel onde se realizou o encontro. Eles aproveitaram a rara oportunidade que não se viu nos últimos dez anos, para se deliciarem com a maravilhosa e atraente vista do lago, (agora realmente formado), mesmo ainda sem se encontrar na sua plenitude. Beleza incomparável, natureza exuberante, sinônimo de esperança de atração de novos investimentos propulsores de progresso, da criação de empregos e melhoria das condições sócio econômicas desta importante região, foi o que ali se viu.

Vários ofícios assinados por pessoas que por razões diversas não puderam comparecer, mas fizeram questão de deixarem registrado seu apoio integral à causa, foram lidos pelo condutor da solenidade; Dentre estes destacamos: Senador Alexandre Silveira, Marco Antônio de Souza Leão (presidente da FUOM), Gustavo Tatagiba-(presidente da ACIF), Sérgio Rodrigues Leonardo –(presidente da OAB/MG).

 

 

Comentários