A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) afirmou, nesta quinta-feira (5), que Ísis Tabosa Araújo, de 21 anos, denunciou um estupro em outubro do ano passado. A informação foi confirmada pelo delegado da 23ª Delegacia de Polícia, do Riacho Fundo, Lúcio Valente.

De acordo com o delegado, há um inquérito policial aberto para apurar os fatos. No entanto, os detalhes não podem ser revelados devido à natureza do crime. O Código Penal Brasileiro define que procedimentos que apuram a ocorrência de crimes sexuais devem correr em segredo de Justiça.

Ísis morreu, nesta segunda-feira (2), após cair do 5ª andar do edifício DF Century Plaza, em Águas Claras. Ela foi sepultada nesta quinta (5), no cemitério Campo da Esperança, em Taguatinga. No local, nenhum familiar quis falar sobre o caso.

Nesta quarta-feira (4), a Polícia Civil afirmou que todos os depoimentos sobre o caso foram colhidos.

Entre as pessoas ouvidas pelos investigadores, estão o namorado da vítima, o dono do apartamento e os dois amigos dela que estavam no imóvel no momento da queda da jovem. Ao todo, nove pessoas prestaram depoimento.

De acordo com o delegado da 21ª Delegacia de Polícia, em Taguatinga, Luiz Gratão, é preciso esperar o resultado da perícia no apartamento e no corpo da jovem para saber o que ocorreu.

Uma das testemunhas, um policial militar, disse que, ao chegar ao apartamento, viu o dono do apartamento, de 42 anos, sentado na cama. Segundo o depoimento, o local estava todo lavado. Para os policiais, o homem disse que havia caído café no chão e vinho na parede.

O policial militar disse ainda que viu manchas de sangue na cortina e que o dono do imóvel não soube explicar o motivo. À reportagem, o advogado do homem disse que ele dormia no momento em que a vítima caiu do apartamento.

Em depoimento à polícia, ele disse que Ísis e o namorado saíram para comprar bebida e, quando voltaram, percebeu um corte na mão da jovem. Segundo o dono do imóvel, o casal brigava por dinheiro. Ele disse ainda que os dois voltaram a discutir. Houve troca de socos e o namorado quebrou o celular de Ísis.

Segundo a Polícia Civil, as imagens das câmeras de segurança já foram analisadas, mas as conclusões não serão divulgadas para não atrapalhar as investigações.

Segundo testemunhas, Ísis passou da varanda do apartamento em que estava para a varanda de outro apartamento, se desequilibrou e caiu. No momento, ela estava acompanhada do namorado e amigos.

Testemunhas contaram que, após a queda, o grupo que estava no apartamento não desceu para ajudar a vítima. O Corpo de Bombeiros foi acionado, mas já encontrou Ísis sem vida.

De acordo com os investigadores, a vítima vestia apenas uma blusa e roupa íntima no momento do incidente. A perícia da PCDF esteve no apartamento onde ela estava e também no local onde caiu.

Em nota, a administração do condomínio DF Century Plaza disse que está colaborando com as investigações, mas que o ponto onde o incidente ocorreu não tinha câmeras de segurança.

Um morador do prédio em frente viu a cena e chamou o socorro. Ele afirma que a jovem caiu sozinha e que teve a impressão que houve uma discussão no apartamento onde Ísis estava. “Eu acho que ela desequilibrou e caiu. Parecia que ela estava pedindo ajuda”, afirma.

O homem afirma ainda que as pessoas que estavam com a jovem não desceram para ajudar. “Dois só olharam e um teve uma reação de desespero. Mas depois voltaram para dentro. Ninguém desceu. Ela ficou jogada lá no chão.”

Fonte: G1

Comentários
COMPATILHAR: