Uma menina de 3 anos indicou que pode ter sido vítima de estupro em Piumhi, no Sul de Minas. O abusador seria o próprio avô da criança, que indiciou o crime para a sua monitora de creche nessa sexta-feira (14). Ela passará por exames na Santa Casa de Misericórdia de Passos. A Polícia Militar (PM) foi acionada.

Antes de indicar o possível abuso, ela chorou e reclamou de dores nas partes íntimas. Em seguida, foi levada para o banho pela monitora, quando revelou o suposto crime. “Vovô fez carinho”, disse a menina para a educadora. O boletim de ocorrência cita que, neste momento, a menina fez “gestos insinuando como o suspeito havia passado a mão”.

Os policiais foram à casa da mãe da menina. A mulher revelou que a criança esteve com o avô na noite dessa quinta-feira (13), quando mãe e filha foram visitá-lo na casa dele. Ela também disse que não percebeu que a menina sentia dores nas partes íntimas tampouco notou vermelhidão na região.

Durante uma primeira análise, a equipe médica descreveu a criança como “assustada, pouco comunicativa”. Segundo os profissionais, a menina estava com hiperemia (alteração na circulação sanguínea). O exame de perícia que pode comprovar o estupro será feito na Santa Casa de Passos.

A mãe da menina forneceu dados, como nome e endereço, do avô da menina. O caso será investigado pela Polícia Civil.

 

Estupro de vulnerável

Qualquer ato libidinoso praticado contra uma pessoa menor de 14 anos é considerado estupro de vulnerável no Brasil. A classificação ocorre independentemente da duração do ato ou da sua superficialidade. A pena para o crime, previsto no artigo 217-A do Código Penal Brasileiro, pode chegar a 15 anos de prisão.

 

Fonte: O Tempo

 

COMPATILHAR: