Historicamente, no início da primavera é quando acontece o pico da catapora com elevação de até 60% do atendimento.Um surto da doença já preocupa as autoridades de Minas Gerais. Desde janeiro deste ano, foram quase 20 mil casos da doença no Estado. Até o momento, 14 pessoas morreram. O número é quase duas vezes maior do que o registrado no ano passado.
As crianças são as maiores vítimas da catapora, também conhecida como varicela. O vírus que provoca a catapora é transmitido pelo ar, saliva e contato com o doente. Em casos mais graves, as lesões podem inflamar e levar a uma infecção generalizada causada por bactérias. Adultos que não tiveram catapora na infância também podem contrair a doença que, na fase adulta, é ainda mais perigosa, podendo até matar.
A vacina contra a catapora não está disponível na rede pública de saúde. Nas particulares, a dose custa R$ 140. Laboratórios esperam reforçar o estoque para poder atender à demanda. O Ministério da Saúde estuda incluir novas vacinas no calendário de imunização inclusive contra a catapora, mas não há data definida.
A catapora se caracteriza como erupções em forma de vesículas e bolinhas vermelhas na pele, na cabeça e no tronco, febre e muita coceira. Estes são os sintomas da catapora, doença provocada pelo vírus da varicela, que tem alto potencial contagioso pelo ar ou através de secreções e que tem ocorrência aumentada no período de julho a outubro.
Para que o caso não se agrave, é importante identificar os sintomas logo no início. A orientação dos médicos é observar o aparecimento de bolhas de líquido claro pelo corpo, juntamente com sintomas semelhantes a um quadro gripal, com febre branda ou alta, dores no corpo, mal-estar e irritabilidade, principalmente em crianças abaixo de dois anos de idade. Em alguns casos, as pequenas vesículas de líquido claro, semelhantes a gotas de orvalho, podem ser os únicos indicativos da doença.
Os cuidados com a criança são simples, mas devem ser imediatos, logo que os primeiros sintomas começarem a aparecer. Os pais, ao identificá-los, devem levar a criança a um médico para que se tenha o diagnóstico confirmado da doença. Um dos cuidados é manter as unhas da criança sempre cortadas, para não haver a infecção das vesículas. Além disso, é importante a limpeza de todo o corpo.
Cuidados
Confirmado o diagnóstico da catapora, os pequenos devem ficar em repouso e longe de outras crianças para evitar contaminação. Também devem ser redobrados os cuidados com a higiene. Água e sabão são os itens necessários para manter a limpeza do corpo, sobretudo do tronco – onde tem maior predominância dos ferimentos – unhas e couro cabeludo. Também deve ser evitado o uso de pasta d?água e o contato com terra ou areia, que podem ocasionar infecção na pele.
As grávidas e os pacientes em tratamento de doenças graves (como o HIV e câncer) devem ficar em alerta para não contrair a catapora. Há o risco de transmissão da doença para o recém-nascido e nos pacientes com histórico de imunodeficiência, pois a varicela atinge os órgãos internos, podendo evoluir para óbito.
Em situações extremas, a catapora pode provocar infecção generalizada, pneumonia bacteriana e até morte.

COMPATILHAR: