O que para a PM era apenas mais um encontro de cadáver, acabou para a surpresa de todos, como sendo um caso de provável assassinato.
No final da manhã deste domingo a PM foi solicitada a comparecer à rua Divino Carlos no bairro Alvorada, onde, conforme a solicitante, seu genro se encontrava deitado em um colchão no quarto há algum tempo e na mesma posição, portanto, não se movia, o que lhe pareceu estranho.
A PM ao chegar ao local encontrou Nelman Constantino Neves da Silva (26), já sem vida. Diante dos fatos a polícia solicitou a presença da Funerária Municipal para a remoção do corpo. Os agentes funerários ao realizarem os trabalhos de praxe constataram então que Nelman tinha uma perfuração do lado esquerdo do tórax, provavelmente provocada por uma tesoura ou faca de lâmina muito fina, uma vez que a perfuração era bastante pequena, o que novamente foi comunicado a polícia.
A polícia se viu então, diante de uma nova cena e questionou a solicitante sobre a possibilidade dela haver visto ou ouvido alguma coisa diferente durante a noite, o que foi negado, relatando à PM que fazia uso de remédios e dormia cedo e que sabia apenas que seu genro estava tomando cerveja no dia anterior, com um colega e vizinho, de nome Odeon.
A Policia Militar ao questionar o colega da vítima, Odeon Anastácio de Melo, teve a confirmação de que realmente esteve bebendo com seu colega, na noite de sábado, na porta da casa da vítima, mas que depois disso foi embora para sua residência e não sabia informar o que havia acontecido com seu colega após isso, fazendo inclusive, acusações à companheira de Nelman, que, provavelmente, segundo ele, pudesse ser a assassina de seu colega.
Entenda o caso
A Polícia Militar ao ouvir as declarações de Odeon ficou ainda mais surpresa ao saber que companheira de Nelman, naquela mesma noite, pediu a sua ajuda para leva-lo até o banheiro para dar um banho em Nelman uma vez que ele estava muito bêbado e sujo de sangue. Quando questionado pela PM se ele não tinha percebido que seu colega estava ferido ou sem vida, ele disse não que não percebera e após levar seu colega até o chuveiro, ele e a companheira de Nelman o colocaram no colchão, após o que, ele se retirou para sua casa.
A polícia então começou a procura por Daniane Josina Ribeiro (30) companheira de Nelman, pois ela não se encontrava em sua residência, sendo encontrada no domingo, ao final da manhã, no bairro Sagrado Coração de Jesus. Ao ser abordada, questionada e relatada dos fatos, inclusive sobre as acusações de Odeon, que afirmara que ela era a assassina de Nelman, ela confessou que realmente havia dado uma facada ou tesourada (não tinha certeza do instrumento usado) mas que não sabia que ele havia falecido.
A autora então foi presa e conduzida à Depol, ficando à disposição das autoridades competentes. Foi lavrado o B.O. nº. 10689/08.

Comentários
COMPATILHAR: