A camisa com cinco estrelas no peito pesou. A aura de time copeiro prevaleceu. Ah, Cruzeiro! Que sofrimento! Mas juntamente com os momentos de sufoco, quanta raça, quanta determinação, quanta vontade, quanta garra… quanto emoção. A história não mente: você nasceu para brilhar no país. E com a mão cheia, os torcedores ilustram aquilo que a garganta manifestou até ficar rouca: é penta, é penta… Quanto ao Flamengo, derrotado, fica um gostinho amargo de vice, um desgosto profundo.

Não houve barreira intransponível para o Cruzeiro nesta Copa do Brasil. Todos que ousaram cruzar o caminho da Raposa sucumbiram perante o guerreiro dos gramados. Antes da final realizada nesta quarta-feira, num Mineirão pintado de azul e branco, Volta Redonda, São Francisco, Murici, São Paulo, Chapecoense, Palmeiras e Grêmio se tornaram vítimas. Só restava mais uma muralha a ser desmoronada, a do Flamengo. Dito e feito! No entanto, tinha que ser nos pênaltis? Sim, tinha que ser assim, no sofrimento, na garra, na raça, no sufoco… nos pênaltis.

(Foto: Divulgação)

O empate em 0 a 0 levou a decisão do título para as penalidades – no Rio, o placar havia sido 1 a 1. Seria ali que a muralha rubro-negra cairia. É, Muralha, não seria sua noite. Não, senhor! A noite era estrelada, do Cruzeiro… de Fábio, a verdadeira muralha. Esse sim um gigante debaixo das traves. Um monstro quando o assunto são pênaltis. O atleta com mais jogos disputados pelo clube (736 partidas) fez mais um milagre: defendeu a cobrança de Diego, o que foi crucial para o pentacampeonato – de nada adiantaram os gols de Guerrero, Juan e Trauco. Fica a dica, direção da Raposa: o camisa 1 merece uma estátua.

Henrique, Léo, Hudson, Diogo Barbosa e Thiago Neves trataram de fuzilar Muralha. “O presentinho da diretoria” tratou de converter a última penalidade e correr para o abraço de uma nação que há quase três anos não erguia um troféu de campeão. Essa espera acabou. O Mineirão recebia os guerreiros que escreviam mais uma página heroica e imortal de uma enciclopédia que ainda reservará muitos outros capítulos de glórias. Quem sabe não nascerá mais uma no ano que vem?

O Cruzeiro está de volta à Libertadores. Desde 2015 que o torcedor celeste, bicampeão da competição das Américas, não sentia esse gostinho. Sob nova direção, o clube tentará fazer o máximo possível pelo tri. Um desfecho com chave de ouro ao presidente Gilvan de Pinho Tavares, bicampeão brasileiro em 2013 e 2014. Mais do que isso, um presente mais que merecido à China Azul, o maior patrimônio da agremiação.

Na Copa do Brasil, a Raposa passou por Volta Redonda-RJ, São Francisco-PA, Murici-AL, São Paulo, Chapecoense, Palmeiras, Grêmio e, por fim, Flamengo. Em 14 jogos, venceu sete, empatou cinco e perdeu dois. Foram 23 gols marcados e nove sofridos. Rafael Sobis, com cinco gols, foi o artilheiro da competição – ao lado de Leo Gamalho (ex-Goiás) e Lucas Barrios (Grêmio).

Agora, a torcida do Cruzeiro pode bater no peito com orgulho e dizer que o clube é o maior vencedor da Copa do Brasil.

 

 

Fonte: EM e O Tempo ||

Comentários