Moradores de Oliveira se reuniram nesta quinta-feira (11) na Câmara Municipal para pedir urgência na votação do novo projeto que prevê redução dos salários dos vereadores da cidade. A expectativa era de que, nesta reunião, os vereadores votassem o reajuste salarial deles, já que na primeira reunião do ano, no dia 1º de fevereiro, o projeto foi colocado em pauta com um pedido de urgência alterando o salário dos parlamentares de R$ 3.400 para R$ 5.064,45.

Contudo, o projeto não foi votado. Insatisfeita com o possível reajuste, a população se mobilizou e reuniu mais de 2.500 assinaturas, na tentativa de criar uma emenda, pedindo a redução do salário dos vereadores para R$ 1.200.

Cerca de seis projetos de lei foram discutidos na reunião e o de subsídio de salário dos vereadores voltou a ser debatido. Por conta da pressão popular, uma nova proposta salarial foi apresentada pelo presidente da Câmara, Venício dos Santos, propondo uma remuneração inferior a R$ 1.200 para os vereadores.

Doze dos 13 vereadores assinaram o projeto de lei que propõe o reajuste salarial deles para um salário mínimo a partir da próxima legislatura. O projeto também sugere que os salários do prefeito, vice-prefeito e secretários sejam reduzidos em 50%.

Depois de discutido o projeto de reajuste, a pauta mudou. Até que o vereador Leonardo Leão pediu urgência para a votação da matéria. Para discutir o pedido, o presidente da Câmara e os vereadores se ausentaram do plenário, já que pela norma da casa, depois de passada a pauta ela não pode retornar. Quando voltaram, levaram decisão de pedido de vista.

Uma nova reunião para discutir o assunto foi marcada para a próxima segunda-feira (15).

 

Fonte: G1||http://g1.globo.com/mg/centro-oeste/noticia/2016/02/vereadores-desistem-de-votar-em-aumento-salarial-em-oliveira.html

Comentários
COMPATILHAR: