A nona edição do Festival Lixo e Cidadania foi realizada na semana passada, de segunda a sábado (16 a 21), em Belo Horizonte. O evento, cujo tema foi ?Participar, agir e transformar. Está em nossas mãos?, reuniu catadores de materiais recicláveis, moradores de rua, representantes de universidades, do terceiro setor, empresários e membros do poder público para uma troca de experiências e a busca de alternativas para situações como a destinação dos resíduos sólidos das cidades.
A Associação dos Recicladores de Formiga (Recifor) foi representada pelo presidente da entidade, Francisco Carlos da Silva, mais conhecido como Chicão, e pelas integrantes Luzia Ferreira da Silva, Rosa Mônica Andrade Silva e Maria Luzia da Silva. Eles estiveram na capital mineira na segunda-feira (16) e na terça-feira (17) e participaram de palestras, oficinas, exposições e movimentos junto a recicladores de outras cidades.
Segundo o presidente da Recifor, uma das ideias difundidas no Festival Lixo e Cidadania foi a criação de uma rede de associações, ou seja, constituírem uma sede central em Belo Horizonte para acabar com os atravessadores durante a venda dos materiais recicláveis. Além disso, foi proposto acabar com as incinerações de resíduos, pois isso só prejudica a coleta seletiva nas cidades, além de causar danos ao meio ambiente.
Para Chicão, a participação no evento foi muito importante, pois traz mais aprendizado e propostas de angariar mais recursos para a Associação dos Recicladores. Ele ressalta que um dos assuntos bastante difundidos no festival foi a coleta seletiva, que já é realizada em Formiga desde o ano passado.
De acordo com ele, a Recifor vai pleitear junto à Prefeitura que o Executivo pague um salário aos recicladores que fazem a coleta seletiva, assim como é feito em vários municípios, pois, hoje, a associação sobrevive apenas do material que é coletado e vendido e desse dinheiro é que sai o pagamento dos 30 associados.
A Recifor faz a coleta seletiva hoje com apenas dois veículos, sendo que cada um faz duas rotas por dia e outra rota é feita à noite (no total são cinco rotas). Segundo Chicão, toda quinta-feira a Prefeitura, por meio da Secretaria de Gestão Ambiental, empresta um caminhão para recolhimento dos resíduos das firmas.
Atualmente, a Associação dos Recicladores de Formiga tem parceria com várias empresas e entidades, sendo elas: Unifor-MG, Grupo Arlindo de Melo Empreendimentos (Amep), Globoaves, Prumo Engenharia, Bazar Guri, Tecno 2000, Alterosa Pneus, Santa Casa de Caridade de Formiga, Unimed Alto São Francisco, Banco Real, Caixa Econômica Federal, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e Credifor. O presidente da Recifor ressalta que estão abertos a novas parcerias, os interessados devem procurar a associação.

Coleta de óleo para biodiesel deve ser implantada em Formiga
Uma das propostas trazidas pela Recifor para Formiga é uma parceria com a Biominas para um projeto de biodiesel. A intenção é que Biominas destine um caminhão para vir ao município recolher restos de óleo, conforme uma parceria já existente em várias cidades mineiras.
Uma reunião deve ser agendada ainda este mês entre os membros da Biominas e da Recifor para tratar do assunto. A intenção é concentrar a entrega desse óleo em um estabelecimento que, inicialmente, seria o Supermercado ABC, pois, segundo o presidente da Recifor, a Biominas já tem parceria com a rede em outros municípios. Chicão conta que a associação já tem alguns litros de óleo que foram recolhidos e que serão doados para o biodiesel. A entidade também fará a divulgação para incentivar a coleta do óleo em Formiga.

Comentários