Uma empresa de comércio varejista terá que pagar indenização por danos morais, no valor de R$4 mil, por ter tratado de forma humilhante um ex-vendedor da unidade de Barbacena, na região Central de Minas. O trabalhador alegou que sofria pressões diárias pela gerente da filial.

As informação foram divulgadas nesta terça-feira (18) no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-Minas).

Segundo testemunha, caso não conseguisse bater as metas, o integrante da unidade deveria realizar o serviço de faxina da loja depois do horário de serviço. Aos sábados, por exemplo, a testemunha contou que empregados chegavam a ficar duas horas a mais depois do fechamento da unidade.

Em defesa, a empregadora alegou que nunca destratou o vendedor. Mas uma testemunha confirmou as alegações do ex-empregado.

“O tratamento da gerente é o pior que se possa imaginar; que, se o empregado estivesse fora de seu local de trabalho, ela o pegava pelo braço e o levava até o local onde deveria estar; que ela chegou a dizer que colocaria uma estrela no chão para cada empregado ficar no seu devido lugar”, disse a testemunha ao juiz.

Na visão do magistrado, todo trabalhador tem direito a um ambiente de trabalho saudável, tanto física quanto psicologicamente e fixou a indenização, por danos morais, em R$ 15 mil. A empresa apresentou recurso e a Terceira Turma do TRT-MG acatou parcialmente o apelo, reduzindo o valor para R$ 4.142,70.

 

 

Fonte: Itatiaia

COMPATILHAR: