Uma festa de aniversário com temática do PT, feita para o guarda municipal Marcelo Arruda, que comemorava 50 anos, terminou em tragédia, em Foz do Iguaçu (PR), neste fim de semana.

Segundo testemunhas relataram a jornais locais, Arruda celebrava com amigos e familiares na sede da Associação Esportiva Saúde Física Itaipu (Aresfi), quando o policial penal federal Jorge José da Rocha Guaranho invadiu o local gritando “Bolsonaro” e “mito”.

Conforme o boletim de ocorrência registrado na Polícia Civil do Paraná, as testemunhas contaram que Guaranho era desconhecido de todos e não foi convidado. Ele chegou ao local em um carro e saiu do veículo armado gritando “aqui é Bolsonaro”, intimidando os convidados da festa, mesmo acompanhado da esposa e de uma criança de colo.

A esposa de Arruda se identificou como policial civil e mostrou o distintivo, o que convenceu Guaranho a ir embora, mas ele retornou à festa sozinho depois de 20 minutos, de acordo com o boletim de ocorrência.

Arruda também se identificou como guarda municipal e resolveu pegar a própria arma, quando recebeu os dois primeiros tiros disparados por Guaranho. O guarda municipal atirou diversas vezes e acertou o policial penal com pelo menos três tiros, ainda segundo o boletim de ocorrência.

Os dois foram socorridos e encaminhados ao Hospital Municipal Padre Germano Lauck, mas não resistiram e tiveram morte confirmada na madrugada deste domingo (10).

Marcelo Arruda deixa esposa e quatro filhos, um deles um bebê de apenas 1 mês. Foi guarda municipal por 30 anos e nas eleições de 2020 se candidatou à prefeitura de Foz do Iguaçu. Os jornais locais não deram mais informações sobre a família e histórico político de Jorge José da Rocha Guaranho.

 

 

Fonte: O Tempo

Comentários
COMPATILHAR: