É uma vergonha a falta de respeito de membros da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara Federal, presidida por um deputado, sem pulso para botar ordem na Comissão, que deveria estar cuidando de seus netos ou prestando serviços sociais.

Gastam-se fábulas de dinheiro, que faz muita falta para o social, com políticos mequetrefes, eleitos pelo imoral voto obrigatório, os quais, sem nenhum escrúpulo e decência, fazem do Parlamento um verdadeiro picadeiro de circo.

Ao que se assistiu durante a sessão de 28/03/2023, para ouvir o ministro da Justiça Flávio Divo, foi um monte de palhaços travestidos de políticos protagonizando cenas de molecagem, dignas de cachorradas desvairadas, e desferindo insultos ao deputado Nikolas Ferreira (PL-MG). E o pior, o presidente da CCJ, deputado Rui Falcão (PT-SP), conivente, não interfere na balbúrdia sonora de xingamentos, tais como “chupetinha” e outras ofensas.

Independentemente de se tratar do deputado Nikolas Ferreira, protagonista de cena ridícula ao se apresentar de peruca em plenário, em 8 de março, Dia Internacional da Mulher, nada justifica o quadro de molecagem de muitos membros da CCJ.

Há de haver respeito dos parlamentares com a instituição Câmara Federal, bem como com os contribuintes, que pagam os salários de suas excelências. Os senhores e senhoras parlamentares se esquecem de que as sessões da CCJ não são picadeiros de circos e são transmitidas pela TV Câmara para o país.

Diante de comportamentos incivilizados de parlamentares, que só fortalecem o descrédito da sociedade com o quadro político nacional, para que se gasta tanto dinheiro para manter um Parlamento de elementos indisciplinados e mal-educados?

 

 

COMPATILHAR: