Após três anos de grande recessão no Brasil, muitos empreendedores ainda não estão totalmente otimistas em relação a uma boa recuperação econômica em 2018. Por isso, é importante ter muita atenção em cada passo dado dentro de uma empresa.

Assim, vale a pena dar uma olhada nos cuidados e orientações referentes ao empreendedorismo em um momento ainda delicado na economia nacional:

Cuidados:

1) A Economia ainda é inconstante, principalmente por conta das influências políticas externa e interna. Enquanto os Estados Unidos implantam uma reforma tributária que, se não agrada a todos, ao menos, auxilia no controle fiscal e mantém o PIB em crescimento, no Brasil, o cenário econômico é muito instável ainda. As taxas de juros estão controladas e até em níveis mais baixos, mas, a demora em aprovar as reformas necessárias para controlar os gastos públicos – como a fiscal, previdenciária e tributária – já fizeram com que agências como a S & P rebaixassem a nota brasileira na escala de investimento. Esse reflexo se dá, no mercado interno, como menos investimento circulando, poucas opções de financiamento e empreendedores com baixo fôlego para abrir novos negócios.

2) As eleições, no Brasil, são uma incógnita. Estamos às vésperas das eleições presidenciais e ainda nem bem sabemos quem serão os candidatos e suas propostas. Essa volatilidade cria um temor do mercado e uma retração dos investidores, afinal, é preciso esperar para investir apenas depois do cenário ser desenhado, porque o rumo da Economia só é determinado com uma nova equipe.

3) Existe uma percepção de que há mais dinheiro no mercado. Mas, ela é falsa. Apesar de o varejo ter sentido uma alta no consumo neste natal, não podemos nos enganar: ainda é cedo para dizer que a Economia está aquecida. Essa sensação de que há mais dinheiro circulando é falsa: houve o momento do saque do FGTS e o 13º salário, que “animaram” o consumidor. Mas, são liberações pontuais, que devem acabar.

4) O varejo sofre com o excesso de feriados e a Copa do Mundo – Não tem jeito: feriados e a Copa do Mundo prejudicam o varejo, porque as vendas caem. É preciso preparar-se para um ano que parecerá mais curto e menos lucrativo.

5) Há excesso de profissionais disponíveis no mercado, pela alta do desemprego. Mas poucos são qualificados. Quando surge uma vaga de emprego, o contratante, provavelmente, recebe um grande número de currículos. O desemprego está em alta. Porém, a seleção precisa ser muito bem feita, já que, ao mesmo tempo em que há muita gente disponível, há poucos profissionais qualificados. E capacitar é caro e leva tempo. Contratar errado pode ser um problema sério para o varejo.

Desafios:

1) Estruturar plano de crescimento estratégico: Com pouco dinheiro para investir, os varejistas e as franqueadoras precisarão de muita energia, criatividade e inovação para crescer. É necessário formar parcerias e ter profissionais-chave nas equipes, que consigam ser realmente estrategistas, para não errar nos objetivos de crescimento da empresa.

2) É imprescindível ser digital: A comunicação, os softwares, os treinamentos, nada mais sobrevive longe do mundo digital. O desafio das empresas, hoje, é equilibrar o uso da tecnologia, que facilita a vida e reduz custos, com o contato humano, que não pode ser perdido, ainda mais nas relações de rede.

3) Gerir os conflitos dentro de casa: Em se tratando das franqueadoras, é necessário aprender a administrar os conflitos de dentro para fora. A Mediação ajuda muito nesse processo. Não terceirizar o conflito é um fator importante para que as relações entre franqueador e franqueado sejam próximas e duradouras, porque, assim, eles solucionam os problemas que aparecem e têm continuidade na relação.

4) Melhorar e aprimorar o processo de seleção: Essa é a forma de evitar conflitos futuros. Parece que, sempre, precisamos bater na mesma tecla: o franqueado selecionado de maneira errada trará problemas à rede no futuro. E a culpa não é do franqueado, quem precisa de total atenção a esse perfil é o franqueador, porque ele tem muito mais condições de avaliar quem pode ou não pertencer à rede.

5) Ampliar a assistência ao franqueado e apostar na inovação por meio do compartilhamento de ideias: O suporte à rede franqueada é o diferencial das franquias de sucesso. Entendo como suporte desde a criação de novos produtos e serviços até a logística, os treinamentos, os manuais, o marketing, enfim, é todo um conjunto de ações que mantêm a rede equilibrada e, principalmente, profissionalizada. É preciso criar fóruns de discussão regionais, conselho de franqueados e até grupos para brainstorming, para que os franqueados sintam-se à vontade em opinar, em trazer inovações à rede. Essa maneira de captar ideias, de compartilhar conhecimento precisa ser permanente e constante, porque é da ponta, do contato com o cliente que vem esta importante parceria.

 

Fonte: Hoje em Dia ||

Comentários
COMPATILHAR: