Após o relaxamento das medidas contra transmissão do novo coronavírus, como o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras em Minas em 1º de maio, a Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) registrou alta na taxa de testes positivos realizados em farmácias. De acordo com a associação, nos primeiros 15 dias de maio, o número de resultados positivos chegau a 18,56% dos testes feitos no Estado. Em abril a taxa foi 8,21%.

Em todo o país, o número de resultados positivos no mesmo período superou em 54% o total registrado em abril. Segundo a Abrafamar, foram 49.320 resultados positivos das 210.362 testagens no período (o que corresponde a 23,45%).

“Apesar de a procura ainda ser 20% menor que a do mês anterior, o índice de positivados saltou 54%. É um forte indício de resiliência do coronavírus, a julgar que a segunda quinzena de abril já apresentava viés de crescimento”, avalia Sérgio Mena Barreto, CEO da Abrafarma.

Ainda conforme a associação de farmácias, depois da alta de casos no mês de janeiro, a queda no percentual de resultados teve início em fevereiro e seguiu em março e abril. No entanto, os primeiros dias de maio sinalizam uma retomada.

Positividade também em alta nos laboratórios privados 

Laboratórios privados também registram alta nos índices de testes positivos. De acordo com um estudo do laboratório DB Molecular, a taxa de positividade de Covid-19 cresceu e chegou a 28% em todo o país, entre 9 e 15 de maio.

Segundo o levantamento, Minas está entre os estados que tiveram o maior percentual de testes positivos durante a primeira quinzena de maio. O Estado aparece em terceiro lugar no ranking, com 34,2%.

No entanto, os números ainda são menores do que os registrados em janeiro, quando a taxa de positividade nacional chegou a 48%.

Governo avalia indicadores

Conforme levantamento da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), a taxa de positividade no último mês, de forma geral, alternou entre 15% no início do mês de abril, 18% em meados de abril e 14% no início de maio.

A SES afirma que segue avaliando os indicadores tanto de casos novos quanto de internações e, caso seja necessária alguma medida, esta será adotada. Além disso, o Governo afirma que, neste momento,”não vê riscos de sobrecarga do serviço de saúde”.

A Secretaria reforça a necessidade de imunização de quem ainda não buscou o reforço contra Covid-19, como forma mais segura e eficaz de se interromper a circulação do vírus. “Também é importante destacar que o uso de máscaras é facultativo e segue indicado para pessoas que apresentem sintomas gripais ou estejam locais de grande aglomeração”, diz a nota.

 

Fonte: Hoje em Dia
Comentários