A Polícia Civil de Goiás encerrou nesta segunda-feira (23) as investigações de crime de lesão corporal culposa praticado por um dentista em junho de 2020. O caso aconteceu em Aparecida de Goiânia, durante a realização de um procedimento cirúrgico de alectomia. A conclusão foi de que o acusado não possuía conhecimento técnico especializado para realizar o procedimento cirúrgico.

“Concluiu que o investigado, mesmo não possuindo o conhecimento técnico necessário [curso de medicina com especialização em cirurgia plástica ou otorrinolaringologia] praticou, assumindo o risco, lesão corporal gravíssima em paciente durante a realização de procedimento cirúrgico incisivo, após interpretação extensiva de que poderia praticar tal procedimento, mesmo que sem qualquer respaldo legal ou teórico”, diz a nota da PCG.

De acordo com a nota, a política ouviu testemunhas, reuniu e analisou documentos dos conselhos regionais e federais de odontologia e medicina, houve realização de exame de corpo de delito das vítimas e outras informações periciais foram colhidas.

Relembre o caso

A esteticista Elielma Carvalho Braga, após ver anúncios na internet, marcou a realização de uma alectomia com o acusado. O procedimento consiste em afinar o nariz. A vítima, porém, denunciou o dentista criminoso após perder parte do órgão.

Elielma precisou fazer diversas cirurgias de reconstrução após o procedimento. Esse tipo de cirurgia não pode realizada por dentistas, apenas cirurgiões plásticos dentro de um consultório de medicina.

Fonte: Metrópoles

COMPATILHAR: