Por Priscila Rocha/Glaudson Rodrigues

Desde janeiro de 2015, quando a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) transferiu por meio da resolução normativa 414/2010 a responsabilidade da manutenção da iluminação pública para as Prefeituras, começaram as reclamações por falta de iluminação nas ruas de Formiga.

Para conseguir cumprir a demanda, o município entrou no Consórcio Intermunicipal de Saneamento Básico, Meio Ambiente, Atenção à Sanidade dos Produtos Agropecuárias e Segurança Alimentar da Serra da Canastra (Cicanastra). Por meio do consórcio, 27 municípios seriam atendidos pela Kelluz Construção, Indústria e Comércio. Em Formiga, a empresa ficou responsável pelos 8.500 pontos de luz existentes no município mediante a remuneração mensal de R$49.300.

Em setembro de 2015, descontente com a prestação de serviços, a Prefeitura rompeu o contrato com a empresa kelluz. No mesmo mês, Formiga contratou a empresa KPL Engenharia e Serviços Ltda, de Divinópolis. O contrato com a empresa foi rescindido em setembro do ano passado e a Prefeitura passou a realizar os reparos na iluminação, mas para a população a decisão da administração não surtiu efeito. Até maio deste ano, o número de solicitações de reparo passava de 900.

Para muitos moradores a situação em que se encontra a cidade virou caso de polícia, já que a Prefeitura cobra pela manutenção e não realiza os serviços devidamente cobrados.

Cansados de solicitar os reparos na Secretaria de Obras e esperar por uma solução dos problemas, alguns contribuintes têm se valido dos meios de comunicação para fazerem denúncias. É o caso dos moradores da rua Antônio Rodrigues de Oliveira, no bairro Elza Dinorah.

Ao Últimas Notícias uma das moradoras disse que a rua em questão é pequena e que nela existem somente cinco postes, dos quais três estão com as lâmpadas queimadas. Há mais de cinco meses eles estão ligando no número divulgado pela Prefeitura, 37 3329-1846 para a solicitação de reparos e a resposta é sempre a mesma, que eles irão verificar e resolver os problemas, mas até agora nada.

“Não sabemos mais a quem recorrer, perdemos a conta de quantas vezes eu e meus vizinhos solicitamos os reparos. Talvez fazendo a denúncia via imprensa e tornando o caso público eles resolvam o problema. A cobrança na conta chega todo o mês, mas na hora de fazer os serviços fica só na promessa. Para onde está indo o dinheiro da contribuição”, questionou a moradora.

Na Secretaria de Obras

O Últimas Notícias entrou em contato com a Secretaria de Obras e foi informado pela funcionária Bianca que os serviços de reparos estão sendo realizados por bairro. Nessa semana os serviços estavam sendo feitos no bairro Santa Tereza (Alto do Cristo), depois será a vez dos bairros Santa Luzia e Alvorada e assim seguirá por toda a cidade.

 

Comentários
COMPATILHAR: